Segunda, 12 de Abril de 2021 12:16
93 9192-6623
Pará Belém

Polícial mata a esposa e se suicida em frente ao 24º Batalhão

Peritos do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves já estão a caminho do local

01/03/2021 09h47 Atualizada há 1 mês
Por: confirmanoticia Fonte: O Liberal
Foto: divulgação
Foto: divulgação

Um crime violento chocou os moradores do conjunto Maguari, no bairro do Coqueiro, em Belém, na manhã desta segunda-feira (01). O investigador da Polícia Civil Edson Campos Pojo assassinou a própria esposa, Liliane Santana da Silva Pojo, de 36 anos, dentro da residência dela, e depois se suicidou em frente ao 24º Batalhão de Polícia Militar (24º BPM), no mesmo bairro. O casal deixa dois filhos, um de cinco e outro de dez anos de idade.

Segundo relatos de testemunhas, o crime ocorreu por volta das 8h30. Edson chegou na casa onde a esposa morava com os filhos, na alameda 6 do conjunto Maguari e, depois de insistir muito, entrou na residência. Em seguida, os vizinhos escutaram quatro disparos de arma de fogo e, poucos segundos depois, viram o policial deixando a casa, entrando no carro e indo embora. As crianças estavam na escola no momento do crime.

Depois de entrar no carro, um Hyundai Creta branco, ele seguiu para o 24º BPM, que fica na alameda 11, a poucos minutos do local do crime, e tirou a própria vida, com um tiro na cabeça. Fernando Nascimento, gerente de uma loja que fica perto do batalhão, relatou que viu o momento em que Edson chega ao local. "Ele chegou agoniado, querendo estacionar o carro dele. Quando ele viu que não tinha vaga, jogou sinal pra mim e entrou na minha frente e estacionou ali. Aí ele saiu andando, chegou lá na frente e deu o tiro", contou.

Uma vizinha de Liliane contou que ela e Edson estavam no processo de separação há cerca de um mês, e que ele era um homem muito ciumento e agressivo. "Ela já me relatou que ele dava empurrão nela, coisas assim. Ele era possessivo e não aceitava essa separação", disse. "Inclusive ela perdeu o emprego há um mês, porque ele foi lá na porta fazer um escândalo, com ciúmes, e aí demitiram ela".

Ainda segundo a testemunha, que não quis ser identificada, Edson ainda teria ligado para a irmã buscar os filhos no colégio, pois ele teria "feito uma grande besteira". "Tanto que a irmã dele veio aqui já sabendo o que tinha acontecido", afirmou. "Eu acho sim que foi premeditado, porque eles estavam separados, ela demorou bastante tempo pra abrir a porta pra ele e ele ficou aqui fora esperando", concluiu.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.