Vento forte e chuva assustam moradores de Altamira; veja vídeo

Os fortes ventos e a chuva na noite desta segunda-feira (28) assustaram moradores de Altamira, município do sudoeste paraense. Segundo as análises climáticas, setembro costuma ser o mês mais seco da região, mas as mudanças climáticas têm feito o clima mudar, além do vento, tem chovido bastante.

Diversos moradores gravaram a ventania. Algumas residências já tiveram danos.

Mudanças no clima

Confirmado pelo departamento nacional de clima dos Estados Unidos, o National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), o La Niña, fenômeno climático oposto ao El niño, entrou em atividade na primeira quinzena de setembro. A principal característica do fenômeno é o resfriamento da superfície das águas do Oceano Pacífico.

Com isso, as regiões Norte e Nordeste tendem a ficar mais chuvosas durante a ocorrência do La Niña, enquanto que as chuvas ficam menos frequentes no Sul.

 

Escolas se preparam para retorno das aulas presenciais

Depois de quase seis meses com aulas suspensas por conta da pandemia do novo coronavírus, as escolas estaduais que compõem a 10º URE – Unidade Regional Estadual, começam a adotar medidas para o retorno gradual dos alunos às salas de aulas.

Os estudantes do terceiro ano serão os primeiros que podem voltar às salas de aula. A partir deste 28 de setembro inicia o processo de aulas não presenciais.

No dia 13 de outubro começam as aulas presencias com apenas 25% da capacidade, seguindo com 50% depois do dia 27 e no dia 9 de novembro o retorno de 100% dos alunos.

Para os estudantes do 1º e 2º ano, a data para o início das aulas com as atividades remotas é a partir do dia 13 de outubro, dia 16 começam as aulas presencias seguindo gradualmente o calendário com a autorização de porcentagem da capacidade na sala.

De acordo com o diretor da 10º URE, Edir Souza, a decisão do retorno fica a critério dos pais, caso permita, ou não, a presença dos filhos nas instituições de ensino.

Com autorização da retomada das aulas presencias, as escolas começam a se preparar para receber os alunos.

Na escola Ducilla de Almeida pias plásticas foram adaptadas no corredor na entrada e também reservatório para a higienização.

Álcool em gel, sabão liquido, papel e outros produtos de limpeza foram adquiridos através de um recurso disponibilizado pelo governo do estado para garantir a segurança dos alunos e a higienização das escolas.

Moradores de Medicilândia registram chuva de granizo

Mais uma cidade da região foi surpreendida por uma chuva de granizo. E dessa vez, foram os moradores de Medicilândia que fizeram o registro da cena inusitada. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, a previsão era de baixa temperatura e de muita chuva para a região.

Segundo o coordenador do Inmet, José Raimundo, essa mudança gradual de temperatura na região segue até o final do ano, quando inicia o inverno amazônico. apesar disso, o Inmet afirma que chover granizo não é comum na Amazônia.

Em 2020, é a segunda vez que a região registra uma chuva de granizo. No dia 06 de setembro moradores de uma comunidade ribeirinha de Senador José Porfírio registraram a cena, e se assustaram com as pedras de gelo caindo do céu.

Durante o final de semana, Itupiranga, no sudoeste do estado, também registrou o fenômeno, que segundo a meteorologia, acontece quando as gotas de água que se evaporam dos rios encontram temperaturas muito baixas nas nuvens e congelam. Como estão muito pesadas, acabam caindo em forma de gelo.

 

 

Amazônia e Cerrado são os biomas mais devastados em 18 anos, aponta IBGE

Segundo dados das Contas de Ecossistemas: Uso da Terra nos Biomas Brasileiros (2000-2018), divulgados pelos Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os biomas brasileiros perderam 500 mil km² de sua cobertura natural, passando de 5,9 milhões de km², em 2000, para 5,4 km² em 2018. Todos os biomas tiveram saldo negativo, mas a perda foi diminuindo de magnitude ao longo dos anos. Os maiores quantitativos de redução de áreas naturais estiveram concentrados nos Biomas Amazônia e Cerrado.

A maior redução de área nativa aconteceu na Amazônia, que encolheu 269,8 mil km², e no Cerrado, com menos 152,7 mil km² de cobertura natural. Somadas, as perdas dos dois biomas representam 86,2% do total. Já a redução mais intensa de cobertura natural em termos percentuais foi no Pampa, de -16,8%. O Pantanal foi o bioma que apresentou os menores decréscimos de áreas naturais, tanto em termos absolutos (2.109 km²) quanto percentuais (1,6%). A maior perda percentual ocorreu no Bioma Pampa, onde 16,8% de sua área natural, em 2000, foi convertida em usos antrópicos.

O Estado do Piauí tem cobertura dos biomas Cerrado e Caatinga, sendo que este também teve uma perda. Neste mesmo recorte, a Caatinga teve perdas de 17.165 km² (2016) e de 1.604 km² (2018). Apesar disso, esse foi o terceiro bioma mais preservado do país, e tem 36,2% de seu território sob influência antrópica.

De acordo com os dados, a característica mais marcante das transformações de uso da terra do Bioma Cerrado é a expansão contínua e acelerada da agricultura, com o acréscimo de 102.603 km² entre 2000 e 2018. Nota-se que as áreas de vegetação campestre e florestal se reduziram, também, progressivamente, dando lugar a pastagem com manejo e área agrícola.

A pastagem é a segunda classe de uso da terra mais representativa nesse bioma, e sua relevância se deve às características históricas de ocupação. Em 2018, 44,61% das áreas agrícolas e 42,73% das áreas de silvicultura do Brasil encontravam-se no Bioma Cerrado.

De 2000 a 2018, no Cerrado, houve alta de 52,92% para as áreas agrícolas e de 104,32% para as áreas de silvicultura. A expansão da agricultura está relacionada as commodities agrícolas, com duas grandes concentrações. A primeira, na região Centro-Sul – englobando os Estados do Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul, que possui alta capacidade de investimento dos atores envolvidos, bem como aptidão agrícola do solo.

A outra concentração, no MATOPIBA (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), vem sendo ocupada por plantações de soja, algodão e outras monoculturas de grãos e cereais, o que representa uma expansão contínua de padrão, de Sul para Norte, na agricultura brasileira.

A expansão da silvicultura, por sua vez, está associada, em termos de valor da produção, às atividades da indústria de papel e celulose, em crescimento no período citado, seguidas do uso tradicional para produção de lenha e carvão vegetal.

Caatinga: cobertura natural diminui

Em 2018, predominava na Caatinga a vegetação campestre (46,8%), sendo apenas 5,6% de seu território com usos antrópicos estritos sob a forma de pastagem com manejo. Contudo, o bioma apresenta uma diminuição contínua de suas coberturas naturais, e a vegetação campestre teve sua área reduzida em 26.768 km². De 2000 a 2018, cerca de 47,3% das mudanças de uso e cobertura da terra nesse bioma foram relativas à conversão de vegetação campestre em mosaico de ocupações em área campestre.

As classes de mosaicos são bastante representativas na região, devido a um número elevado de estabelecimentos rurais de pequeno porte, caracterizados por cultivos de subsistência, pequenas pastagens ou sistemas agroflorestais.

A área agrícola teve um aumento de 74,9%, expandindo sobre áreas naturais, apenas 2,5% convertida da pastagem com manejo

Caracterizado pelo predomínio de campos nativos; em 2018, 37,4% de vegetação campestre, seguida pela classe de área agrícola (36,3%), além de 19,3% da área natural descoberta do Brasil

(PortalODia/IBGE)

Moto é roubada no bairro Bonanza

A vítima estava em frente a uma construção no bairro Bonanza, na companhia da esposa e outros familiares quando os criminosos chegaram. “Na hora que os assaltantes chegaram com dois 38 cromado, cada um tava com o revolver na mão. Aí desceram em uma popzinha preta [sic]’’, relatou a vítima.

Na mira de dois revolveres a família foi rendida e a moto levada pela dupla. Tudo aconteceu por volta das 20h de domingo (27). Além da moto, os bandidos levaram joias, R$ 400 em dinheiro e quatro aparelhos celulares.

Esse era o único meio de transporte da família que ainda se recupera do susto. Quem tiver informações sobre o veículo pode fazer uma denúncia anônima pelo número 181.

 

Caso Fernanda e Isabely: um dos acusados pede liberdade

Claudecir Alexandre de Souza, mais conhecido como traça, foi apontado em abril de 2019 como um dos comparsas de Geovani de Souza Silva no assassinato de mãe e filha na área rural de Altamira. De acordo com a investigação ele teria ajudado ocultar os cadáveres. E agora, pede para responder ao processo em liberdade.

A audiência está marcada para o dia 29 de setembro. Uma data que traz à tona um crime que chocou Altamira. Rafael Oliveira perdeu a esposa Fernanda Moura de 28 anos e a filha, Maria Isabely, de apenas 05 anos.

A investigação mostrou que o crime teria sido motivado por vingança. Geovani era vizinho de Fernanda, e seria o principal suspeito de ter invadido a residência dela para furtar dias antes.

A mãe de Geovani foi avisada e o jovem repreendido por ela. Geovani que tinha uma extensa ficha criminal polícia não gostou e resolveu matar mãe e filha. Rafael, esposo e pai das vítimas, também estava marcado para morrer, mas no dia do ataque, não estava na residência.

Hoje Rafael mora longe de Altamira. Mudou de cidade com medo de represálias. No total, foram 3 presos. Geovani, de 19 anos, que confessou ter matado Fernanda com golpes de faca no pescoço e Maria Isabely, enforcada com uma corda. O mentor foi morto pelos companheiros de cela assim que deu entrada no presídio de Altamira.

Leia também:

Acusado de matar mãe e filha ganha liberdade, em Altamira

Após uma semana Rafael fala sobre a morte da esposa e da filha, em Altamira

Polícia encontra corpo de mãe e filha que estavam desaparecidas

Outro envolvido foi Dário Santos de Lima, que teria ajudado Geovani a invadir a casa das vítimas e depois as levado até o ramal onde foram assassinadas. Na casa dele, a polícia encontrou a moto de Fernanda. Dário também teria ajudado a cavar a cova para enterrar as vítimas. Ele também foi atacado por outros presos, mas conseguiu sobreviver e foi solto meses depois. Tudo o que a defesa de Rafael, pai e esposo das vítimas, não quer que aconteça com Claudecir.

Para a família, a cobrança por justiça vai seguir até os principais acusados sentarem no banco dos réus e serem julgados pelo latrocínio, roubo seguido de duas mortes.

 

Homem é acusado de matar o irmão em Pacajá

A delegacia de Tucuruí registrou no último domingo (27), um homicídio onde um homem teria matado o irmão. O caso foi no município de Pacajá. Segundo a Polícia Civil, Edmilson dos Santos Silva foi morto com um golpe de faca.

O pai dos dois irmãos informou à polícia que Edmilson o agrediu com um soco e para defendê-lo, o outro filho Júnior dos Santos Silva, sacou uma faca e desferiu um golpe na região do abdômen do irmão. Ele morreu ainda no local.

O caso aconteceu na área rural do município, 30 km da faixa da BR-230. Após esfaquear o irmão, Júnior fugiu e até o momento não foi encontrado pela polícia. O corpo de Edmilson foi encaminhado para o centro de perícias de Tucuruí.

Mulher é assassinada no bairro Brasília em Altamira

Uma mulher foi assassinada no bairro Brasília, em Altamira. O caso aconteceu no último domingo (28). Vanuza Santana de Lima, 26 anos, foi surpreendida pelos criminosos no local de trabalho, um restaurante.

Era por volta de 22h, quando Vanuza foi surpreendida pelos criminosos, na cozinha do seu trabalho. Eles chegaram de motocicleta e efetuaram vários disparos contra a vítima. Em seguida, ela foi levada para a Unidade de Pronto Atendimento, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

O caso aconteceu na rua Joaquim Acácio, no momento alguns clientes estavam no local. Segundo informações de testemunhas, o dono do estabelecimento também estava na cozinha e foi atingido de raspão pelos tiros, mas passa bem.

Vanuza não tinha passagens pela polícia. Ela era irmã de uma das vítimas que foram mortas no massacre no Centro de Recuperação Regional de Altamira – CRRA. Ela é a terceira pessoa que foi assassinada em Altamira somente este mês de setembro.

O último caso foi registrado há uma semana, onde Clemildo Araújo da Silva foi morto a tiros em um balneário no ramal do Cupiúba. O delegado pede que quem souber qualquer informação que ajude na investigação pode entrar em contato através do 190, 181 e no WhatsApp através do número (91)98115-9181.

 

Homem fica gravemente ferido em acidente no Mutirão

Raimundo Santos da Silva,38 anos, ficou gravemente ferido depois de sofrer um acidente por volta das 20h de sábado (26), na entrada do bairro Mutirão.

Segundo informações do Corpo de Bombeiros não se tem registro de outra pessoa ferida no acidente, por isso ele pode ter caído sozinho. Raimundo foi atendido pelos socorristas já consciente e com ferimento na cabeça.

Ele foi conduzido a Unidade de Pronto Atendimento – UPA. O perímetro já é conhecido pelos acidentes e exige cautela, já que a rua é estreita e bastante movimentada.

Ainda segundo o Corpo de Bombeiros, o homem apresentava sinais de embriaguez. O caso não foi registrado no Departamento de Trânsito de Altamira.

Embriagado, motorista bate em dois carros estacionados

Um veículo bateu em outros dois carros no estacionado, neste domingo (27), no bairro Independente I, em Altamira. Era por volta de 20h30 quando uma das vítimas compareceu para registrar boletim de ocorrência, depois que o automóvel dele foi atingido enquanto estava parado. O carro ficou com a lateral e traseira destruídas.

O proprietário de um dos automóveis estava trabalhando na rua Umbelino de Oliveira quando o carro desgovernado atingiu o veículo que estavam no estacionamento. O homem foi conduzido para a Polícia Rodoviária Federal onde fez o teste do bafômetro que atestou 1.15mg/l de teor alcoólico.

Genilson Costa Da Silva, 27 anos, foi apresentado na delegacia de polícia civil pelo departamento de trânsito e deve responde por várias infrações.

O de Genilson ficou apreendido pelo Demutran.