Helder Barbalho diz ‘repudiar’ reajuste de 2,97% na tarifa de energia

Em seu twitter, o governador do Pará, Helder Barbalho, fez um pronunciamento nas repudiando o reajuste na tarifa de energia elétrica da Equatorial Energia. “Absurdo!Acabo de ser informado que a ANEEL realizou uma reunião extraordinária com sua diretoria, sobre o Reajuste Ordinário de Tarifa da Equatorial Pará, homologando o aumento em 2,97%na tarifa doméstica. Repudio esse aumento que representa uma perda enorme aos lares paraenses”, escreveu.

O reajuste médio de 2,68% foi aprovado nesta quinta pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e passa a valer a partir desta sexta-feira (7).

Ao todo, cerca de 2,7 milhões de consumidores paraenses, de 144 municípios do estado, vão ser afetados pelo reajuste na tarifa da energia elétrica. Nas redes sociais, o governador Helder Barbalho demonstrou descontentamento com a medida.

O governador disse ainda que pediu à Procuradoria-Geral do Estado (PGE) que ajuíze uma ação contra a ANEEL e a empresa Equatorial, pelo reajuste na tarifa de energia elétrica que será cobrado a partir deste mês de agosto. “Não vamos aceitar esse absurdo.”

 

 

Duas pessoas teriam participaram de furto de embarcação

Novidades no caso do furto da voadeira que aconteceu no dia 31 de julho. O dono da embarcação já recebeu novas informações após reportagem exibida pelo jornalismo da vale do xingu.

Com o boletim de ocorrência em mãos, Raimundo Ferreira pretende ter de volta a voadeira furtada no dia 31 de julho.

Ele está parado desde que perdeu o que era o único meio de ganhar um dinheirinho para sustentar a família.

O pescador e outras pessoas tem ajudado a obter pistas que levem até a embarcação. As imagens de câmeras de segurança do local onde este modelo de voadeira estava ajudam nas investigações.

Ele recebeu uma ligação informando que a embarcação teria passado em direção a Belo MONTE no dia do crime. O pescador está confiante que vai encontrar a voadeira.

Outras imagens mostram que os suspeitos já observavam o local desde às 20h do dia do furto. Um homem aguardava no canto do porto quando o motorista do carro, um gol branco para e ele entra. Dão uma volta pela área e retornam, mas o homem sai do veículo. Observe que essa ação acontece cerca de 22h40.

Já em outra parte da gravação a embarcação já está sendo levada. O relógio marcava 23h15. Segundo o dono da voadeira os criminosos deixaram o motor. Quem tiver novas informações sobre o paradeiro da voadeira pode entrar em contato diretamente com o Raimundo pelo 93- 99212.9674.

 

Após operação da PF, secretário de Administração de Uruará é exonerado

A operação da Polícia Federal, denominada Carranca, revelou uma lista de servidores supostamente envolvidos em um esquema de exploração ilegal de madeira. Os envolvidos liberaram produtos apreendidos em fiscalização.

Por ter o nome citado na operação carranca, Bruno Valle, que até então era secretário de administração do município de Uruará, foi exonerado. A demissão foi publicada no último dia quatro de agosto.

Ele estava à frente da secretaria desde setembro do ano passado e em janeiro deste ano assumiu também a secretaria de finanças do município. Ele ainda atuou como secretário de meio ambiente.

Durante a operação, Bruno ainda jogou o celular dentro do vaso sanitário o que levantou mais suspeitas dos policiais federais. Novos nomes para assumirem as duas pastas deixadas por ele ainda não foram publicados. O motivo da exoneração também não foi informado.

 

Entregador sofre ofensas racistas em condomínio de Valinhos; confira o vídeo

Um vídeo mostrando um homem branco e rico humihando um motoboy com ofensas racistas e classistas viralizou nas redes sociais. O caso teria acontecido em um condomínio de luxo na vidade de Valinhos, interior de São Paulo.

Na discussão, o homem branco menospreza o fato de o entregador ser motoboy. “Quanto que você tira por mês?”, questiona. O entregador responde que não importa, e o homem branco rebate: “você não tem nem onde morar, moleque”. E o entregador rebate: “claro que tenho”.

“Você tem inveja disso aqui, fio. Você tem inveja”, diz o homem branco, apontando para as casas de alto padrão. O entregador tenta conversar com um terceiro homem, mas o agressor o interrompe. “Moleque, moleque, escuta aqui, ó. Você tem inveja disso aqui, rapaz. Você tem inveja dessas famílias. Você tem inveja disso aqui [o homem branco aponta para o seu próprio braço, querendo dizer que o entregador tem inveja da cor de sua pele]”.

O entregador tenta argumentar, dizendo que ele pode ter os mesmos bens que ele. É aí que o homem branco fica ainda mais revoltado e eleva o tom: “Você nunca vai ter”. A discussão continua, com o entregador não baixando a cabeça, e rebatendo: “O senhor conseguiu por quê? Porque o seu pai te deu, ou por que você trabalhou?”, questionou.

O homem branco responde: “Eu já nasci rico”. O entregador continua: “Então, o senhor trabalhou, o senhor trabalhou?”. “Por muito tempo”, responde o homem branco. A discussão continua, até que o vídeo é interrompido.

O vídeo motivou a criação da hashtag #racismoecrime, que se tornou o assunto mais comentado do Twitter na manhã desta sexta-feira (7).

(Correio24horas)

Assista:

 

Fundação ParáPaz promove debates sobre violência contra a mulher e Lei Maria da Penha

O aniversário de 14 anos da lei federal Maria da Penha, criada para estipular punição adequada e coibir atos de violência doméstica contra mulheres, é o ponto de partida da programação Agosto Lilás, que a Fundação ParáPaz promove até o fim deste mês. De maneira remota, ou seja, via internet, serão promovidas rodas de conversa e lives sobre os aspectos dessa violência, os efeitos e o que fazer. No dia 26, uma blitz informativa estará em pontos estratégicos de Belém e Ananindeua, na região metropolitana, distribuindo panfletos e fitas na cor-símbolo da campanha que visa conscientizar e educar a população para o fato de que nenhum tipo de crime contra o gênero pode ser normalizado.

“Todo cidadão tem um papel na proteção das mulheres”, diz a presidente da ParáPaz, Jamille Saraty Graim. Ela explica que, embora o desejo fosse de uma programação presencial, foi preciso adaptar tudo para o que é permitido dentro do contexto da pandemia do novo coronavírus. “Fora a blitz, faremos tudo de forma completamente remota, evitando aglomerações, com transmissões via Facebook e também pelo nosso canal do YouTube”, antecipa.

Essas trocas de experiência terão como convidados membros do Ministério Público (MPE) e Tribunal de Justiça do Estado (TJE), psicólogos e outros profissionais, no sentido de garantir um debate interdisciplinar acerca da temática. Em parceria com a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), as servidoras da fundação farão minicurso preparatório.

ParáPazRegistros 

Para além do fato de a campanha reforçar a importância da legislação, Jamille garante que esse é o momento mais do que necessário para falar sobre o assunto. Durante os meses de isolamento social, aumentaram consideravelmente as denúncias de violência doméstica. Além disso, ainda há quem ache que só se configura como violência o ato físico. “A verdade é que, para se chegar a estágios como agressão, tentativa de homicídio ou morte, antes ocorrem outras violências, de caráter sexual, psicológica e patrimonial, que é mais desconhecida”, relata.

“Aquela ideia de que o homem é o detentor, e tem que pedir o dinheiro para ele, dar o troco, a mulher não sabe que isso é um tipo de violência. Quando ele forja documentos de modo a não partilhar nada na hora do divórcio, isso também é uma violência. O papel da ParáPaz, além de informar sobre tudo isso, é mostrar os instrumentos à disposição para buscar ajuda”, detalha a presidente.

As ações da ParáPaz, durante todo o ano, também incluem crianças e jovens, e são disseminadas por meio de palestras, pelo esporte, em oficinas, na distribuição de cartilhas e em outras programações educativas. “Pelo projeto ParáPaz nas Escolas a gente busca alcançar esse público, pensando não só no agora, mas no futuro, ao estimular essa responsabilidade social. Acreditamos que isso pode nos trazer melhores resultados a longo prazo”, explica Jamille.

Conscientização 

A gerente da unidade ParáPaz Mulher Belém, Cassiana de Tassia Santos, participa da live de abertura nesta sexta-feira (7), às 19h, sobre os 14 anos da Lei Maria da Penha, seus avanços e possibilidades. “Estamos falando da legislação mais avançada do mundo sobre o tema, e suas alterações mais recentes possibilitam qualificar ainda mais o atendimento integrado à mulher vítima de violência”, avalia.

“Essas ações são necessárias para conscientizar de que nenhum tipo de violência praticado pode ser naturalizado. É preciso desconstruir esse comportamento machista, essas relações abusivas que vemos no cotidiano. Só durante o mês de julho, registramos cerca de 300 boletins de ocorrência relacionados à violência contra a mulher”, reforça Cassiana, explicando que ainda é muito comum o receio e até mesmo a vergonha, por parte da vítima, de pedir ajuda e denunciar.

Quando a vítima decide buscar a ParáPaz, seja em busca de orientações ou de formalizar queixa às autoridades responsáveis, ela recebe atendimento multiprofissional, que envolve desde a avaliação na enfermagem sobre a necessidade de exames periciais – quando há marcas de violência física – ao acolhimento com psicoterapeutas. “A gente segue assistindo aquela mulher até ela se certificar de que tem condições de romper com o parceiro”, assinala Cassiana. São relatadas com maior frequência, nessa ordem, as denúncias de violência psicológica, física e moral.

“Independente do tipo, é algo que impacta toda a família. Os filhos, principalmente, se forem vítimas ou testemunhas dos atos. Se o núcleo familiar não dá apoio às vítimas, é pior ainda, elas ficam ainda mais fragilizadas e se veem sem suporte”, conclui a gerente da ParáPaz Mulher Belém.

(Agência Pará)

Círio de Nazaré não terá procissão com imagem por causa da Covid-19

A edição 228ª do Círio de Nazaré, uma das maiores procissões religiosas do Brasil, não terá peregrinações com a imagem de Nossa Senhora de Nazaré, devido à pandemia do novo coronavírus. A programação em novo formato foi anunciada pela Diretoria da Festa e Arquidiocese de Belém nesta quinta (6).

As romarias costumam reunir multidões pelas ruas de Belém, sendo que a Grande Procissão, no segundo domingo de outubro, o público é de, aproximadamente, dois milhões de pessoas.

Os eventos do segundo final de outubro serão reduzidos (confira programação ao final). Segundo a diretoria, as principais mudanças são para evitar aglomerações:

  • Fiéis ‘promesseiros’ poderão cumprir promessas durante a quadra nazarena, que dura 15 dias;
  • Missas serão com portas fechadas e transmitidas pela internet;
  • Imagem deve ficar exposta das 12h às 00h na Praça Santuário, respeitando distanciamento social;
  • Durante as manhãs, a imagem visitará os hospitais de tratamento da Covid-19.
  • Missas presenciais durante a quadra nazarena (12 a 25 de outubro), às 18h, na Basílica.
  • A coletiva de anúncio teve abertura com o Arcebispo Dom Alberto Taveira Corrêa, que fez uma homenagem aos mortos durante a pandemia e disse que é uma responsabilidade realizar o Círio, que deve ocorrer “com muitas adaptações”.

“Consultamos autoridades do Estado e do Município, constituímos uma comissão de médicos, a Diretoria se debruçou para seguirmos todas as normas vigentes e as medidas preventivas necessárias, a fim de que a nossa grande festa se realize sem colocar em risco a vida das pessoas”, afirmou.

Programação

9 de outubro (sexta):

18h – Missa na Basílica Santuário

19h – Apresentação do manto para o Círio 2020

19h30 – Live Musical

10 de outubro (sábado)

9h30 – pregação conduzida pelo pe. João Paulo Dantas

11h30 – descida da imagem original

17h – missa na capela do Colégio Gentil, com portas fechadas e transmissão

18h – exibição do documentário “Plácido”

18h30 – exibição de documentários com grandes momentos da procissão da Trasladação

19h – live musical, com transmissão da decoração da berlinda

20h30 – queima de fogos, às proximidades da Catedral da Sé

20h45 – benção do Cônego Roberto Cavalli

11 de outubro (domingo)

7h – missa, celebrada por dom Alberto, com transmissão

8h – início da programação televisiva (documentários, entrevistas, imagens de grandes momentos do Círio e sobrevoo da imagem sobre hospitais da cidade)

10h – terço

10h30 – sequência da programação televisiva

11h30 – missa de encerramento do Círio, com transmissão

12h30 – encerramento

12 a 25 de outubro (quinzena Mariana)

05h15 – terço da alvorada

8h – visitação da imagem a hospitais da região metropolitana

12h – exposição da imagem no altar central da Praça Santuário

18h – missas da festividade

21h – encerramento da visitação

(G1)