Serviço Não Perturbe dos bancos começa a funcionar hoje

Os aposentados e pensionistas que não quiserem mais receber ligações com ofertas de crédito consignado podem se cadastrar no serviço “Não Perturbe” dos bancos, que passa a funcionar a partir de hoje (2).

Para isso, é preciso cadastrar no site do serviço os telefones fixos ou móveis vinculados ao número do CPF. O bloqueio passa a valer 30 dias após o procedimento, quando os bancos que aderiram ao sistema param de fazer chamadas telefônicas com as ofertas de empréstimos.

Ao todo, 23 bancos aderiram ao serviço, que integra uma iniciativa de autorregulação do setor bancário promovida pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e a Associação Brasileira de Bancos (ABBC), em parceria com a Secretaria Nacional do Consumidor.

Segundo a Febraban, as instituições financeiras que aderiram à iniciativa correspondem a cerca de 98% da carteira de crédito do país. Uma vez feito o cadastro, o bloqueio de chamadas abrange também os correspondentes bancários, ampliando o alcance da medida.

Além do Não Perturbe outras medidas de autorregulação do crédito consignado incluem a criação de uma base de dados para o monitoramento de reclamações causadas pela oferta inadequada de empréstimos, que contabilizará as queixas feitas nos canais internos dos bancos, no Banco Central ou através da plataforma consumidor.gov.

Também serão contabilizadas as ações judiciais e feito um mapeamento da governança e da gestão de dados de correspondentes bancários, com o objetivo de produção de um índice de qualidade a ser divulgado pela Febraban e a ABBC a partir de fevereiro.

“Teremos um termômetro de qualidade da atuação do correspondente, e com base no indicador de reclamações, os bancos irão adotar medidas administrativas, que vão desde advertência, suspensão, até o fim do relacionamento com o correspondente”, disse Amaury Oliveira, diretor de autorregulação da Febraban.

No caso de alguma infração por parte de algum correspondente, os bancos são obrigados a aplicar sanções, caso contrário ficam sujeitos a multas que variam de R$ 45 mil a R$ 1 milhão, segundo a Febraban.

Fraudes

O aposentado ou pensionista deve também ficar atento a fraudes. No momento do cadastro, a plataforma do serviço “Não Perturbe” ressalta que não possui aplicativos para smartphones, não envia email com arquivos executáveis ou solicita dados pessoais ou bancários diretamente aos usuários.

As instituições financeiras que aderiram ao “Não Perturbe” dos bancos são: Agibank, Alfa, Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Banrisul, Barigui, Bradesco, BMG, BRB, Caixa, Cetelem, CCB, Daycoval, Estrela Mineira, Inter, Itaú, Mercantil, Pan, Paraná Banco, Safra, Santander, Sicredi e Votorantim.

(Agência Brasil)

Governo divulga edital para contratar organizadora de concurso da PM e PC

Foi divulgado nesta quinta-feira (2) o edital de Concorrência Pública nº 001/2019 e 002/2019 da Secretaria de Estado de Planejamento e Administração (Seplad), para a contratação da prestadora de serviço que realizará o planejamento, organização, realização, processamento e resultado final do concurso público da Polícia Militar e da Polícia Civil do Pará.

Após a escolha da empresa responsável para a execução, novos editais serão divulgados, ainda neste primeiro semestre, com informações pertinentes aos dois certames, como a realização de inscrições, cargos e vagas disponíveis.

Para a Polícia Civil, as oportunidades serão destinadas para delegado, escrivão, investigador e papiloscopista. Já para a Polícia Militar, as vagas são para o curso de formação de praças combatentes e curso de formação de oficiais combatentes. Ao todo, deverão ser ofertadas 3.900 oportunidades, sendo 2.405 para a PM e 1.495 para a PC.

O objetivo do governo do Estado é dar andamento aos certames de forma ágil, como forma de investimento na segurança pública do Pará. “Os dois concursos são de suma importância para o Estado, pois buscamos cada vez mais melhorias para a sociedade no quesito segurança pública. Estamos trabalhando para que tudo ocorra dentro da normalidade e de forma transparente”, disse a secretária de Administração em exercício, Thainná Alencar.

Para o delegado geral da Polícia Civil, Alberto Teixeira, a PC do Pará é um dos órgãos que compõem o sistema de segurança pública e tem como principal função prevenir, repreender e investigar crimes. Portanto, segundo o gestor, quem escolhe seguir a carreira da instituição tem o compromisso com a manutenção da ordem e bem-estar da sociedade.

“O nosso concurso público será de suma importância para que possamos reforçar as nossas delegacias, seccionais, aprimorar as nossas investigações policiais e a partir daí obter melhores resultados. Esse concurso vem num momento primordial para que possamos melhorar a qualidade do nosso serviço, que é prestado diuturnamente à população paraense”, destacou Teixeira.

(Agência Pará)

Identificação de CPF/CNPJ passa a ser obrigatório nas encomendas internacionais

A Receita Federal exigirá, a partir desta quarta-feira, 1º, que todas as encomendas e remessas internacionais possuam a identificação do Cadastro Nacional de Pessoa Física (CPF), Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) ou número do passaporte do destinatário para ter o despacho iniciado. De acordo com informações da Agência Brasil, os dados devem ser incluídos na hora da compra online e encaminhados juntamente em seu transporte.

Conforme nota da Receita, a falta da informação poderá acarretar na proibição da entrada da encomenda e sua devolução ao exterior ou destruição. Caso não sejam informados no momento da compra, ou o remetente não tenha encaminhado os dados juntamente com a remessa, os Correios têm uma ferramenta para informação na página da internet. Será necessário fazer o cadastro no site, com CPF, CNPJ ou número do passaporte (estrangeiro), bem como definir login e senha.

Após o cadastro, segundo a Receita, basta realizar a pesquisa em Encomendas e fazer a vinculação das remessas no ambiente Minhas Importações, no site. Somente após esse procedimento, as encomendas poderão ser apresentadas à fiscalização aduaneira.

(Focus.Jor)

 

No Pará, homem sobe em torre de 30 metros e acaba dormindo no local; veja vídeo

Um homem, até então não identificado, após aproveitar a virada de ano, resolveu subir em uma torre de telefonia e, a mais de 30 metros de altura, tirar um cochilo.

Foi isso que aconteceu no primeiro dia do ano em um bairro periférico de Abaetetuba, o homem subiu na torre e, possivelmente não deu conta de descer, então resolveu dormir ali mesmo. O Corpo de Bombeiros foi acionado e teve bastante trabalho para tirar o porre dorminhoco lá de cima.

O perigo dos carregadores USB em espaços públicos

Chegar ao quarto do hotel após uma longa viagem e começar a procurar as tomadas para carregar os diversos aparelhos é algo que já se tornou rotina para a grande maioria. Nesse sentido, encontrar (sobretudo no exterior) um carregador USB na parede pode ser como descobrir um oásis no deserto. Conectores desse tipo evitam a dor de cabeça de lidar com as diferentes tomadas de cada país, mas os especialistas voltam a advertir sobre o seu perigo: eles podem ser uma porta de acesso para os hackers. E a ameaça é real.

Embora seja um perigo já conhecido e abordado pelos especialistas, o Ministério Público de Los Angeles (Estados Unidos) lançou um alerta público pedindo aos cidadãos que evitem a todo custo usar os conectores USB de hotéis e aeroportos, devido à séria possibilidade de serem vítimas do ciberataque conhecido como juice jacking. Através dessa técnica, os hackers podem roubar diretamente do celular os dados pessoais do usuário. E inclusive instalar programas maliciosos que poderiam registrar conversas e todas as atividades realizadas no dispositivo.

“Impacto elevado”

Estamos diante de um alerta exagerado ou a ameaça é real? Fernando Suárez, presidente do Conselho Geral de Ordens Oficiais de Engenharia Informática da Espanha, confirma que “o impacto desse risco é muito elevado. Segundo ele, “a ameaça e a consequente recomendação são similares às do uso de WiFi públicos: não utilizá-los, já que não sabemos quem são os outros usuários e com que finalidade usam esse meio compartilhado”.

A empresa Kaspersky Lab confirma a existência da ameaça, mas não considera que esteja disseminada. Daniel Creus, analista de segurança da companhia, diz que, embora “[o problema] não seja generalizado, é importante levá-lo em conta porque pode ser considerado um vetor de infecção e, portanto, uma ameaça”.

Como se proteger

A possibilidade de ficar sem bateria é um dos maiores temores de qualquer pessoa, mas o risco de carregar o aparelho é alto. Como evitá-lo?

• Não utilize as portas USB. Pode parecer óbvio, mas é a primeira recomendação de todos os especialistas: não usar esses conectores públicos, apesar da sua conveniência e por mais que você precise de bateria;

• Leve o carregador. As versões modernas ocupam pouco espaço e evitam que você precise recorrer a portas USB em espaços públicos;

• Use baterias portáteis. As conhecidas como powerbanks são um salva-vidas para muito viajantes e sempre serão mais recomendáveis que um USB público;

• Apague o celular durante a recarga. Se realmente não houver outra opção a não ser carregá-lo usando portas USB, a McAfee recomenda desligar o aparelho para minimizar riscos e evitar que haja tráfego de dados durante o processo.

(ElPaís)

Vai se aposentar neste ano? Veja quais regras estão valendo em 2020

Quem está pensando em pedir a aposentadoria do INSS neste ano deve ficar atento às mudanças estabelecidas pela reforma da Previdência. Apesar de definir uma idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens, quem está próximo de se aposentar pode entrar em uma das regras de transição, com exigências diferentes.

Ao todo, são cinco regras. Em três delas, há mudanças em 2020, segundo o advogado previdenciário João Badari.

Na aposentadoria que estabelece uma idade mínima, por exemplo, no final de 2019, a mulher precisava ter 56 anos de idade e 30 anos de contribuição, e o homem 61 anos de idade e 35 anos de contribuição. A partir deste ano, a idade mínima passa a ser de 56 anos e seis meses para mulheres e 61 anos e seis meses para homens.

Pelo sistema de pontos também há mudanças. Antes, a exigência era que a soma da idade com o tempo de contribuição fosse de 86 pontos para mulheres e 96 pontos para os homens. Em 2020, essa pontuação aumenta para 87 e 97, respectivamente.

Para quem está planejando se aposentar por idade, a mudança é só para mulheres, que terão que completar 60 anos e seis meses em 2020. Quem faz aniversário no segundo semestre, precisa esperar mais. Se uma segurada completa 60 anos em julho de 2020, por exemplo, ela só teria 60 anos e seis meses em janeiro de 2021. Porém, nessa data, a idade mínima aumentará para 61 anos. Ou seja, ela terá que esperar o aniversário para ter direito à aposentadoria nessa categoria.

Se tinha atingido os requisitos de uma das regras de transição no ano passado, há direito adquirido, e é possível se aposentar pelas normas antigas.

Veja quais regras de transição estão valendo para 2020:

Idade mínima

Mulher: 56 anos e seis meses de idade e tempo mínimo de contribuição de 30 anos

Homem: 61 anos e seis meses de idade e tempo mínimo de contribuição de 35 anos

Sistema de pontos

Mulher: a soma da idade com o tempo de contribuição deve ser de 87 pontos. É preciso ter ao menos 30 anos de contribuição

Homem: a soma da idade com o tempo de contribuição deve ser de 97 pontos. É preciso ter ao menos 35 anos de contribuição

Pedágio de 50%

Mulher: se contribuiu por pelo menos 28 anos quando a reforma entrou em vigor, pode cumprir um pedágio de 50% do tempo que falta para chegar aos 30 anos de contribuição. Não há idade mínima.

Homem: se contribuiu por pelo menos 33 anos quando a reforma entrou em vigor, pode cumprir um pedágio de 50% do tempo que falta para chegar aos 35 anos de contribuição. Não há idade mínima.

Pedágio de 100%

Mulher: poderá se aposentar a partir dos 57 anos, mas precisa cumprir um pedágio de 100% do tempo que falta para chegar aos 30 anos de contribuição na data em que a reforma entrou em vigor.

Homem: poderá se aposentar a partir dos 60 anos, mas precisa cumprir um pedágio de 100% do tempo que falta para chegar aos 35 anos de contribuição na data em que a reforma entrou em vigor.

Transição da aposentadoria por idade

Mulher: 60 anos e seis meses e tempo mínimo de contribuição de 15 anos

Homem: não há transição, pois os requisitos para quem está na ativa são os mesmos que valem atualmente (65 anos de idade e 15 anos de contribuição)

 

(Uol)

Há dez anos, Orkut, 3D e Blu-ray eram o futuro

No mundo da tecnologia, uma década pode valer um século. Se ainda vivêssemos como em 2010, quando o Valor publicou pela primeira vez sua lista das dez tendências tecnológicas do ano, você estaria vendo filmes em Blu-ray, indo a cinemas com telas 3D, e navegando pelas redes sociais: mas não o Facebook ou o Instagram. Essencial, na época, era ter um perfil no Orkut.

Para marcar os dez anos da coluna, vamos voltar no tempo para ver o que aconteceu com lista original – e avançar outros dez para traçar um cenário de que tendência serão dominantes em 2030.

Quanto ao passado, as projeções de 2010 mostram que muitas tendências promissoras nunca atingiram seu potencial. Ou, simplesmente, desapareceram.

Quem se lembra do Blu-ray, por exemplo? Dez anos atrás, a expectativa era de que a Copa da África do Sul, que seria vencida pela Espanha, estimularia a compra de TVs de alta definição, dando um empurrão aos aparelhos de Blu-ray, sucessores do DVD. Mas a tecnologia nunca “pegou”. Foi atropelada por plataformas de streaming como o Netflix, que chegou ao Brasil em 2011.

Não se sabia, então, se o streaming superaria outro modelo comercial emegente, o download. Essa disputa era um item da lista. O streaming propunha o aluguel de conteúdo, com o pagamento de assinaturas. O download, a compra de filmes e músicas, com a transferência definitiva do conteúdo para o equipamento do consumidor, como smartphones, tablets e notebooks.

Como se vê, hoje, o streaming venceu. Em muitos casos, incorporou o download. Várias plataformas de streaming oferecem a possibilidade de o assinante transferir álbuns de música ou filmes para acessá-los quando não está conectado à internet. Mas se a assinatura for interrompida, os arquivos desaparecem.

Uma tecnologia que caminha para a irrelevância é a das telas 3D. Sob o impacto de “Avatar”, que estreou em dezembro de 2009 no Brasil, parecia que o formato resgatado dos anos 60 teria uma nova chance. Mas a experiência desajeitada, que exige óculos especiais, parece ter desestimulado o público. Em 2018, a bilheteria global dos filmes 3D foi de US$ 6,7 bilhões, a menor em oito anos. Houve queda de 20% em relação a 2017. E os produtores não parecem animados em perseverar.

Os livros digitais também permanecem longe da posição de domínio que, se supunha, ocupariam rapidamente. A mais recente pesquisa sobre o segmento no país, de 2017, mostra que os e-books representavam apenas 1,09% do mercado editorial brasileiro.

Muita coisa que era novidade, deixou de ser. Em 2010, a previsão era de que a venda de notebooks se equipararia, pela primeira vez, a de computadores de mesa. Hoje, os portáteis lideram as vendas com folga: em 2018, representaram 72% dos computadores vendidos no país, em unidades.

Ter um smartphone também virou coisa comum. Ao fim do primeiro semestre de 2010, esses dispositivos representavam 2,7% do total de aparelhos vendidos no país. Era para poucos. Prevaleciam, então, os “feature phones”, mais simples. Em comparação, esse quadro foi quase o inverso em 2018, com os smartphones representando 94,6% dos dispositivos vendidos.

As conexões em banda larga, mais um item, expandiram-se rapidamente. No caso da banda larga fixa, o número de conexões saltou de 20 milhões de lares brasileiros na época para 32,5 milhões em outubro do ano passado, o dado mais recente. Já a banda larga móvel, então inexpressiva no país, está no centro dos primeiros leilões de frequência 5G no Brasil, previstos para ocorrer no fim deste ano. Duas outras tendências – realidade aumentada e jogos on-line – não saíram do radar e vêm ganhando espaço nos últimos anos.

Mas nenhum caso supera o das redes sociais como emblema de um setor que vive de mudanças rápidas. Em 2010, o Orkut, do Google, era a rede dominante no Brasil. Apenas quatro anos depois, no entanto, não aguentou a concorrência do Facebook e baixou as portas. As gerações mais novas mal sabem de sua existência.

(Valor.Globo)

Salário mínimo será de R$ 1.039 neste ano

O presidente Jair Bolsonaro editou medida provisória (MP) que aumenta o salário mínimo de R$ 998 para em R$ 1.039 a partir desta quarta-feira (1º). O novo valor corresponde ao reajuste da inflação do ano, que encerrou 2019 em 4,1%, segundo o Índice Nacional do Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

É a primeira vez na história que o salário mínimo ultrapassa a faixa de R$ 1 mil desde o início do Plano Real, em 1994. A MP foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União ainda nesta terça-feira (31).

Em relação à Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020, aprovada pelo Congresso Nacional há duas semanas, o valor ficou R$ 8 mais alto. Isso porque a previsão anterior do governo federal para a inflação de 2019 era de 3,3%, mas o percentual acabou ficando em 4,1%, de acordo com a última estimativa medida pelo IBGE.

Em nota, o Ministério da Economia informou que o aumento do valor da carne nos últimos meses pressionou o crescimento geral nos preços no final do ano, ampliando o percentual de inflação apurado.

“Anteriormente, o governo projetou o salário mínimo de R$ 1.031 por mês para 2020, conforme a Mensagem Modificativa ao Projeto da Lei Orçamentária de 2020 (PLOA-2020). A recente alta do preço da carne pressionou a inflação e, assim, gerou uma expectativa de INPC mais alto, o que está refletido no salário mínimo de 2020. Mas como o valor anunciado ficou acima do patamar anteriormente estimado, será necessária a realização de ajustes orçamentários posteriores, a fim de não comprometer o cumprimento da meta de resultado primário e do teto de gastos definido pela Emenda Constitucional nº 95”, informou a pasta.

Até o ano passado, a política de reajuste do salário mínimo, aprovada em lei, previa uma correção pela inflação mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país). Esse modelo vigorou entre 2011 e 2019. Porém, nem sempre houve aumento real nesse período porque o PIB do país, em 2015 e 2016, registrou retração, com queda de 7% nos acumulado desses dois anos.

O governo estima que, para cada aumento de R$ 1 no salário mínimo, as despesas elevam-se em R$ 355,5 milhões, principalmente por causa do pagamento de benefícios da Previdência Social, do abono salarial e do seguro-desemprego, todos atrelados ao mínimo.

(Agência Brasil)

Homem atira contra multidão e mata uma pessoa durante festa de réveillon no interior do PA

Uma pessoa morreu em um atentado durante festa de réveillon em Canaã dos Carajás, no sudeste do Pará. De acordo com testemunhas, um homem teria atirado em direção à multidão que assistia a um show no centro da cidade. A Polícia realiza buscas pelo autor dos disparos.

Segundo a Polícia, cerca de duas mil pessoas assistiam o espetáculo que comemorava a virada do ano. O atentado deixou três pessoas feridas, uma delas não resistiu e morreu no local. As outras duas pessoas foram encaminhadas para o hospital, onde seguem internadas.

Após o tiroteio, o evento foi interrompido. A Polícia Civil informou que o autor dos disparos já foi identificado, mas ainda não localizado. Uma equipe realiza diligências em busca do suspeito em Canaã e em municípios vizinhos.

(G1/PA)

 

Consumidor agora pode optar por tarifa branca na energia; entenda como funciona para pagar menos

Um programa do governo vai permitir que consumidores paguem menos pela energia elétrica. Mas só é vantajoso para quem souber usar a energia na hora certa.

Muita gente ainda não sabe como funciona a novidade.

“Ouvir falar, eu já ouvi. Agora, o que falta muito é informação. Como funciona, como deve funcionar, quais os benefícios, quais os contras”, diz um morador de Brasília.

A tarifa branca foi criada para incentivar a redução do consumo de energia nos horários de grande demanda. Com ela, quem adotar o hábito de consumir fora dos chamados horários de pico vai pagar menos pela energia.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) diz que com essa modalidade de tarifa é possível reduzir a conta de luz em até 20%.

O programa existe desde 2018. Inicialmente, para quem consome mais de 500kwh/mês. No início do ano passado, foi estendido para quem consome mais de 200kwh. Nessa nova fase, todos podem aderir. De acordo com a Aneel, mais de 40 milhões de casas e comércios estão aptos a participar.

Consumidores de baixa renda não podem participar do programa porque têm a energia subsidiada, e não teriam vantagem com a mudança.

Quem tiver interesse precisa pedir à companhia de energia elétrica a troca do medidor de energia da casa. Para conseguir reduzir a conta de luz é preciso evitar o consumo no horário de maior demanda, que, em geral, vai das 17h30 às 21h30.

Nesse horário, o ideal é não usar os grandes vilões do consumo em casa, como ar-condicionado, chuveiro elétrico, máquina de lavar e ferro de passar roupa.

Mas atenção: quem aderir à tarifa branca e concentrar o consumo de energia dentro do horário de pico, vai pagar mais caro, pois o custo é mais alto que o da tarifa convencional.

A Aneel recomenda que o consumidor pese bem se a tarifa branca é vantagem para ele.

“Aquele consumidor que conseguir mudar o seu hábito de consumo e deslocar o seu consumo para as demais horas do dia terá de fato economia. Agora, caso o consumidor não tenha essa flexibilidade, é mais interessante ele não fazer o uso da tarifa branca, ficar na tarifa convencional, porque ele corre o risco de pagar mais caro”, disse André Pepitone, diretor-geral da Aneel.

Quem fizer a adesão e não perceber vantagem pode pedir para voltar ao sistema convencional.

(G1)