V Encontro de Prematuros é marcado por emoção no Hospital Regional de Altamira

Troca de informações, de experiências, além de emoção, sorrisos e confraternização, marcaram a V Edição do Encontro de Prematuros do Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT), em Altamira (PA).

O evento foi realizado nesta quinta-feira (28) com o tema “Cuidado integral para uma vida saudável”, e teve como objetivo orientar os pais que estão acompanhando os filhos prematuros na unidade. A ação também contou com a participação de mães que já passaram pela experiência no Hospital.

Tradição no HRPT, unidade do Governo do Estado que é gerenciada pela Pró-Saúde, o evento é promovido anualmente pelo Grupo de Atenção Multidisciplinar Materno Infantil (GAMMI) e o Grupo de Trabalho de Humanização (GTH), com o intuito de sensibilizar em relação à causa e disseminar a cultura de cuidados adequados às crianças que nascem antes do tempo.

Em uma manhã com diversas atividades, os pais dos pequenos relembraram o período em que as crianças estiveram internadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal. Deste modo, em uma roda de conversa, eles puderam compartilhar suas rotinas de superação e aprendizados com os outros pais que ainda acompanham os filhos internados no HRPT.

Priscila Gouveia divide o tempo entre o Hospital e sua casa. Mãe do pequeno Levi Gouveia, de apenas dois meses, ela participou do encontro pela primeira vez. “Foi uma experiência muito boa ter contato com as outras mães e trocar informações. É algo que vou levar sempre comigo”, afirmou.

De acordo com Luciane Madruga, diretora Assistencial do HRPT, o encontro é muito mais do que um evento alusivo ou uma atividade a ser promovida entre as equipes multidisciplinares. “A cada ano que este encontro é realizado, o vínculo é transformado e se torna cada vez mais sólido. As equipes têm a oportunidade de ver o resultado do trabalho delas, e os familiares têm o prazer de ver toda a trajetória que seguiram, o quanto foi árduo e difícil ter passado por todas essas etapas, lutado e conseguido o tão esperado momento, que é a alta do bebê”, explicou a gestora.

Ainda segundo Luciane, a outra face do encontro é que as mães dos bebês internados no HRPT são estimuladas a participar da atividade. “E aí é formada a rede de apoio, onde outras mães que já passaram por toda essa situação, vivenciaram essas dificuldades e anseios, conseguem trocar informações, carinho, atenção e experiências. Torna-se um fortalecimento entre todos”, pontua.

A prematuridade hoje é um problema de saúde pública. De acordo com dados do Ministério da Saúde, uma em cada 10 crianças nasce prematura, o que causa maior índice de mortalidade infantil. Para o enfermeiro Cleiton Araújo, coordenador das UTIs infantis e integrante do GAMMI, o Encontro dos Prematuros é um momento importante, que possibilita vínculo emocional na perspectiva do fortalecimento do trabalho exercido.

“É importante tanto para nós, profissionais, quanto para as mães, que se fazem presente para agradecer a equipe pelo apoio recebido durante o período que as crianças permanecem aos nossos cuidados. Comemoramos em conjunto todas as experiências vividas na nossa trajetória até aqui”, conta o enfermeiro.

No mês de novembro intensifica-se a divulgação de informações sobre prematuridade. De acordo com relatório lançado em 2018, pela Organização das Nações Unidas (ONU), que inclui o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), anualmente em todo o mundo, cerca de 30 milhões de bebês nascem prematuros, com baixo peso ou adoecem logo nos primeiros dias de vida.

O Grupo de Atenção Multidisciplinar Materno-Infantil do HRPT reúne profissionais de várias especialidades, entre eles médicos, enfermeiros, fonoaudiólogos, terapeuta ocupacional, psicólogo, nutricionista e assistente social.

O Hospital Regional de Altamira é o único na região do Xingu que possui Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal e UTI Infantil. Para focar cada vez mais a atenção no cuidado com os bebês prematuros, a unidade fomenta constantemente o diálogo sobre o tema por meio de ações como, por exemplo, os encontros de prematuros.

(Assessoria)

Escola de dança de Altamira vence categoria no festival Dança Pará

Altamira possui uma escola municipal de dança, que há seis anos atende mais de 800 alunos. Muitos deles participam da companhia de dança que representa Altamira em eventos por todo Pará. Uma das componentes que se doa para fazer bonito nas apresentações é a kerilyn Assis, que criou um amor pela dança ainda criança.

Para participar tem que ter muita dedicação e compromisso. Recentemente a companhia participou do Dança Pará que aconteceu na capital paraense. Lá, Altamira competiu com mais 200 companhias de danças e conseguiu o primeiro lugar na modalidade danças urbanas.

Os componentes da companhia ensaiam pesado para representar bem a cidade nos festivais e feiras, mas para isso tem que ter uma equipe preparada por trás.


Veja a reportagem completa.

Novos conselheiros do Fundeb tomam posse

A prefeitura de Altamira deu posse oficial aos novos conselheiros do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, o Fundeb.

As eleições dos novos fiscalizadores acontecem a cada dois anos. Os conselheiros vão responder pelos anos de 2020 a 2022.

Os conselheiros eleitos são componentes de vários setores da educação.

Veja a reportagem completa.

Programa de sustentabilidade dá descontos em conta de energia

O seu João é catador há oito meses. Ele decidiu coletar materiais recicláveis e entregar para o projeto Ecocelpa, através de uma recomendação da vizinha.

O projeto foi criado pela Celpa e busca alcançar todos os clientes. Aliando sustentabilidade e economia, seu objetivo é possibilitar a troca de material reciclável por descontos na conta de energia.

Mais de 35 mil toneladas de resíduos recicláveis já foram arrecadadas na cidade, E a coleta vem se intensificando no posto da Ecocelpa, que fica localizada em frente ao camelódromo. Mas, para fazer parte desse projeto é preciso fazer um cadastro.

Veja o que pode ser trocado

  • Plásticos, garrafas pet, embalagens de produtos de limpeza, de massas, potes de manteiga e margarina, etc.
  • Metais: latas de alimentos, refrigerantes, cervejas, panelas, sucatas de ferro
  • Papel: jornais e revistas, papel comum, livros, papelão.
  • Tetra pack: caixas de leite ou sucos, caixinhas de molhos ou achocolatados.
  • Resíduos orgânicos: óleo de cozinha usado.

Operação policial é deflagrada para coibir crimes contra o meio ambiente no rio Pacajá

A “Operação Caxiuanã” da Polícia Civil, deflagrada na última sexta-feira (29), resultou na instauração de procedimentos contra os investigados David dos Santos Pacheco, marinheiro fluvial de convés, e Rafael Melo Ferreira, encarregado de equipamentos. A operação iniciou no dia 18 de novembro e encerra nesta segunda-feira (02), onde estão sendo realizadas fiscalizações com a finalidade de coibir a prática de crimes contra o meio ambiente pelo desmatamento, extração e transporte ilegal de madeira e caça predatória.

A equipe composta pelo relator e demais policiais civis integrantes da operação, deslocaram-se em lanchas pelo rio Pacajá, a fim de localizar embarcações transportando ilegalmente produtos de origem vegetal, ocasião em que foram encontradas duas balsas e um empurrador com carregamento de madeira em tora de aproximadamente 700m3, em espera, ambos escondidos no braço do rio Pacajá.

As balsas, “Mand II” e “Iara” e o empurrador “Ferinha” foram apreendidos pelos policiais e conduzidos para o município de Portel, onde a madeira foi toda desembarcada no porto da empresa Lamitel. Diante dos fatos a autoridade policial determinou o registro do presente boletim e em seguida a instauração do procedimento legal dos acusados.

A ação foi coordenada pela Divisão Especializada em Meio Ambiente – (DEMA), e realizada pela Delegacia de Repressão a Crimes Contra Fauna e Flora, em ação conjunta integrada pelos órgãos de segurança pública do Estado como: Polícia Civil-DEMA e DIPFLU, Polícia Militar-GU FLUVIAL e DTIC, GRAESP ( Grupameto Aéreo de Segurança Publica), Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade – SEMAS, e mais servidores do ICMBio da Flona Caxiuanã.

1 milhão de preservativos serão distribuídos no “Dezembro Vermelho” no Pará

Para levar serviços de saúde à população e alertar para a prevenção das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’S) e Aids, a Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa) realizou neste domingo (01), uma ação em que foram oferecidas testagens gratuitas para HIV, sífilis e hepatites B e C na Praça da República, em Belém.

A atividade foi o início das mobilizações pelo Dezembro Vermelho, mês de alerta e conscientização das (IST) e Aids. A campanha deste ano da Sespa tem como foco o público jovem, entre 15 e 29 anos, e o alerta para a importância do uso do preservativo.

Alusiva também ao Dia Mundial de Luta contra a Aids, lembrado em 1º de dezembro, a campanha será intensificada em todo o Pará com a distribuição de 1 milhão de preservativos masculinos, 40 mil preservativos femininos e 40 mil sachês de gel lubrificante. A mobilização quer ir além de dezembro e manter o alerta de prevenção, independente da ocorrência de mobilizações e períodos comemorativos, como carnaval e férias de julho.

Só neste domingo, 210 pessoas foram atendidas e 840 testes realizados por uma ação conjunta que envolveu técnicos da Sespa, da Unidade de Referência Especializada em Doenças Infecciosas e Parasitárias Especiais (UREDIPE) e do Laboratório Central do Estado (Lacen). Foram distribuídos na praça da República 8 mil preservativos masculinos, 200 preservativos femininos e 400 sachês de gel lubrificante. O atendimento aconteceu com o suporte de uma Unidade Móvel da Sespa, onde profissionais de saúde atuaram no aconselhamento para o resultado dos testes. Nenhum caso de HIV foi detectado, mas 4 casos de sífilis e 2 de hepatite C foram já encaminhados para tratamento.

“A campanha tem esse diferencial e faremos com que seja contínua. Por isso a Sespa veio à praça, cumprindo seu papel, onde o povo está, para oferecer os testes e alertar a população que o fluxo desse atendimento começa na atenção básica e que o tratamento está aí oferecido”, explica a coordenadora de IST/Aids da Sespa, Andréa Miranda. “Serão informados na campanha os principais sintomas das infecções de acordo com cada caso. Importante dizer que as ISTs aumentam em até 18 vezes a chance de a pessoa ser infectada pelo HIV e têm impacto direto na saúde reprodutiva e infantil, pois podem provocar infertilidade e complicações na gravidez e no parto, além de causar morte fetal e agravos na saúde da criança”, complementa.

Ainda segundo Andréa, é importante que a população faça também sua parte, seja se prevenindo ou se tratando adequadamente, sem interrupções. De acordo com o protocolo mantido pelo MS, a pessoa que passou por uma situação de risco, como ter feito sexo desprotegido ou compartilhado seringas, deve fazer o teste para detecção do HIV, cujo diagnóstico é feito a partir da coleta de sangue ou por fluido oral. No Brasil, os exames laboratoriais e os testes rápidos detectam os anticorpos contra o HIV em cerca de 30 minutos.

Na ação realizada na praça, a aeroviária Carla Almeida, de 35 anos, aproveitou a oportunidade para fazer as testagens, consideradas por ela pendentes por falta de tempo. “Meu cotidiano é corrido e não tenho tantas oportunidades de ir numa Unidade Básica de Saúde. Uma ação como essa ajuda muito quem trabalha a semana inteira. Gostei muito”, atestou. O universitário Eduardo Santos, de 22 anos, gostou também da ação por ser no domingo, dia da sua folga. “Soube por postagens na internet e vim aqui. Durante a semana é mais complicado pra mim porque estudo e trabalho. Com o tempo livre vim ver como estou de saúde”, disse.

No Pará, o princípio básico pra o indivíduo saber se possui alguma IST e ir até a uma Unidade Básica de Saúde. Dependendo do articulação do município, a pessoa pode fazer o teste gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde em um dos 80 Centros de Testagem e Aconselhamento (CTAs) e em 27 Serviços de Assistência Especializada (SAE) em HIV/Aids existentes no Pará, que são vinculados às Secretarias Municipais de Saúde. Os exames podem ser feitos de forma anônima. Nesses centros, além da coleta e da execução dos testes, há um processo de aconselhamento, para facilitar a correta interpretação do resultado pelo (a) usuário (a).

A ampliação desses serviços depende das gestões municipais e, nesse caso, a Sespa governo estadual trabalha como um articulador e um facilitador, além de discutir as estratégias que são usadas na prevenção da doença, por meio de treinamento de profissionais das unidades municipais que atuam diretamente com o paciente.

As estatísticas de HIV e Aids no Pará tendem a cair no Pará, se comparadas ao ano passado. De acordo com dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), do MS, somente em 2018, 2.707 pessoas foram diagnosticadas com HIV, enquanto até cinco de novembro deste ano, outros 1.469 já haviam iniciado tratamento para controle do vírus. No ano passado, 1.348 pacientes manifestaram sintomas da Aids e, até novembro de 2019, outros 657 desenvolveram a doença.

Dados epidemiológicos divulgados pelo Ministério ainda demonstram que o uso do preservativo vem caindo com o passar do tempo, principalmente entre o público jovem, e doenças antigas, como a Sífilis, ainda são recorrentes. Entre as faixas etárias com maior predominância de casos de HIV e Aids, estão entre compreendidas entre 20 e 34 anos, seguidas pela faixa entre 35 e 49 anos e pela de 15 a 19 anos. Atualmente 20.547 pessoas estão fazendo tratamento com antirretroviral para HIV e Aids no Pará. No ano passado, 681 pessoas foram a óbito por Aids no Estado e, até 30 junho de 2019, ocorreram mais 312 mortes.

Em se tratando de sífilis, o mais recente Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, com dados nacionais da doença atualizados até junho deste ano, acena para tendência de queda no cenário no Pará, diante três classificações: casos de sífilis adquirida, sífilis em gestantes e sífilis congênita – a transmitida da mãe infectada para o bebê.

Até 30 de junho deste ano, 1.137 novos casos de sífilis adquirida foram registrados no Pará, sendo que no ano passado foram 2.625 confirmações. Entre gestantes, 962 novos casos foram registrados até junho deste ano e, em 2018, o número de casos chegou a 2.039. Os números de sífilis congênita também convergem para queda: em 2018, nasceram 790 bebês com a doença, enquanto que até junho deste ano, foram 356 casos de sífilis com transmissão vertical de mãe para bebê.

(Agência Pará)

Estudo do Tesouro Nacional Maior parte do abono salarial beneficia menos pobres

Criado para estimular a formalização no mercado de trabalho, o abono salarial está beneficiando principalmente os menos pobres. Essa é a conclusão de estudo do Tesouro Nacional divulgado essa semana sobre os gastos com benefícios trabalhistas.

De acordo com o estudo, 58,3% dos recursos do abono salarial pagos em 2017 foram apropriados pelos 50% menos pobres da população, que ganham mais de R$ 1.220 mensais, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entre 1997 e 2017, a fatia paga aos 30% mais pobres caiu de 24% para 17%.

Segundo o estudo, o abono salarial – espécie de 14º salário pago a trabalhadores com carteira assinada que ganham até dois mínimos – tornou-se um benefício mal focalizado por causa de valorização do salário mínimo. Essa política beneficiou os trabalhadores formais mais pobres, porém aproximou o salário mínimo do salário mediano da economia nas últimas décadas, deixando de concentrar-se na parcela mais pobre da população.

Para o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, o benefício passou a ser ineficiente na distribuição de renda. “O filho de bilionário que esteja no primeiro emprego e receba entre 1 e 1,5 salário mínimo pode ter direito a abono. É a regra do benefício. Já o Bolsa Família, pelo contrário, vai de fato para mais pobres, é bem focalizado. O Bolsa Família é um programa barato, que custa cerca de 0,5% do PIB [Produto Interno Bruto, soma dos bens e serviços produzidos]. Temos de tornar o gasto público mais distributivo”, disse Almeida ao divulgar o estudo.

Na reforma da Previdência, o governo tentou restringir o pagamento do abono salarial aos trabalhadores que recebem apenas o salário mínimo. A Câmara dos Deputados aumentou um pouco o limite, para 1,2 salário. O Senado, no entanto, derrubou a mudança na votação em primeiro turno, mantendo as regras atuais e reduzindo a economia com a reforma em R$ 76,4 bilhões nos próximos dez anos.

Gastos

O estudo analisou a evolução dos gastos do abono salarial e do seguro-desemprego. Segundo o Tesouro, as despesas com os dois principais benefícios trabalhistas do país continuarão a aumentar nos próximos anos em ritmo maior que o crescimento da economia e pressionarão cada vez mais o teto de gastos.

De acordo com o estudo, os gastos com o abono salarial subirão 41,6% de 2018 a 2030, numa expansão de 2,9% ao ano. As despesas com o seguro-desemprego saltarão ainda mais: 50,1% no mesmo período, equivalente a 3,4% ao ano.

Para estimar o PIB, o documento considerou as projeções da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, que apontam crescimento da economia de 0,9% em 2019, 2,32% em 2020 e 2,5% ao ano de 2021 a 2023. Não foram divulgadas estimativas do PIB para os demais anos.

O Tesouro não pressupõe a mudança nas regras de concessão dos benefícios. Para o salário mínimo, o estudo considerou o reajuste apenas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) até 2022 e pelo INPC mais o crescimento do PIB de dois anos antes a partir de 2023.

Evolução

Apenas em 2018, o Brasil gastou R$ 53,6 bilhões (0,78% do PIB) com o abono salarial e o seguro-desemprego. Nos últimos dez anos, aponta o estudo, as despesas com os dois benefícios cresceram, em média, 1,5% ao ano acima da inflação, mais que a média de expansão do PIB de 1,3% por ano nesse intervalo.

O maior aumento ocorreu de 2009 a 2014: 7,9% de crescimento acima da inflação por ano, contra expansão média da economia de 3,4% do PIB. De 2014 a 2018, em contrapartida, os gastos caíram: 5,9% por ano descontado o INPC, enquanto o PIB recuou 1,2% anualmente no mesmo período. Apesar da queda nos anos recentes, o Tesouro considera que, no médio prazo, os gastos com o seguro-desemprego e o abono salarial crescem mais que o PIB.

Contradição
Na maioria dos países, o gasto com o seguro-desemprego cresce em períodos de recessão e caem em épocas de crescimento econômico. O estudo procurou desvendar por que ocorre o contrário no Brasil. “De fato, é bastante difundida a visão de que haveria uma relação direta e positiva entre a despesa com o seguro-desemprego e a taxa de desemprego. Entretanto, a relação observada na última década tem sido justamente a oposta”, destacou o levantamento.

Conforme o estudo, a formalização do mercado de trabalho nos anos de crescimento econômico e a política de aumentos reais (acima da inflação) do salário mínimo explicam o desempenho contraditório dos gastos com o seguro-desemprego. O trabalho destacou que a desaceleração da economia a partir de 2014 e a recessão em 2015 e 2016 interromperam a formalização do mercado de trabalho brasileiro.

Em 2001, 26,5% da população economicamente ativa trabalhava com carteira assinada. A proporção passou para 37,32% em 2013. Dessa forma, a ampliação dos gastos com o abono salarial e o seguro-desemprego decorreu da ampliação do público alvo dos programas. O gasto também foi influenciado pelo aumento real do salário mínimo.

(Agência Brasil)

Carro cai de ponte sobre rio São Francisco em Barcarena, no PA

Uma caminhonete caiu da ponte sobre o rio São Francisco no km 4 da rodovia da Integração em Barcarena, nordeste do Pará, na manhã deste domingo (1º).

Uma vítima foi localizada pelo Corpo de Bombeiros. O corpo de Alípio Gonçalves Barauna, 39, foi removido pelo Instituto Médico Legal (IML).

O carro estaria em alta velocidade na via. Segundo nota do Corpo de Bombeiros, o acidente ocorreu por volta das 6h quando o motorista perdeu o controle, bateu em uma das muretas e despencou no rio, no sentido Barcarena/Vila dos Cabanos.

Agentes do Departamento Municipal de Trânsito de Barcarena (Demutran) estiveram no local.

(G1/PA)

Banda paraense concorre a prêmio na Semana Internacional de Música

A banda paraense Nicobates e Os Amadores acaba de ser indicada ao Prêmio Gabriel Thomaz de Música Brasileira na categoria “hit do ano” com a música “Metafísica do Piropo”. A premiação ocorre no próximo Sábado (7) no encerramento da Semana Internacional de Música de São Paulo (SIM-SP) na Associação Cecília, no bairro de Santa Cecília, na capital paulista.

O Prêmio foi criado há sete anos pelo próprio Gabriel Thomaz, músico e produtor, fundador da banda Autoramas, a mais icônica e mais bem sucedida banda do rock independente brasileiro. Há quatro anos, o evento se associou à SIM e vem realizando badaladas cerimônias de premiação com alguns dos melhores shows do Brasil.

De acordo com Gabriel Thomaz, o prêmio foi criado porque havia uma demanda muito grande de artistas e bandas que não estavam sendo devidamente valorizados. Quando perguntado por que a música de Nicobates e Os Amadores foi selecionada, Gabriel disse que o Prêmio é o único que “não tem rabo preso com ninguém”, por isso não divulga o nome dos jurados do Prêmio, e os vencedores, segundo ele, são escolhidos por serem os melhores. Ele afirmou que não se sentia à vontade para falar de uma música em específico, já que a comissão ainda vai escolher os premiados. Limitou a dizer que a música passou porque era muito boa, “assim como as 49 outras selecionadas o eram”, mas ele falou sobre a música do Pará em especial.

“Nos anos anteriores já tiveram diversas bandas e músicas do Pará que concorreram. O Molho Negro venceu no ano passado e o Lambada Hit Combo foi indicado em outros anos. Se você for fuçar na página do Facebook você vai ser. Eu adoro a música do Pará. Para você ter uma ideia, o Autoramas toca em Belém desde 2001. Portanto são mais de nove anos trazendo material de artistas paraenses para o Sudeste. Inclusive, fui eu que dei de presente para o [falecido produtor responsável pela criação do espetáculo Terruá Pará] Carlos Eduardo Miranda aquele box de miriti com o CD “Mestres da Guitarrada”, ainda naquele ano”, conta.

Apesar da exaltação da música do Pará, Gabriel reafirmou a universalidade da arte musical: “Quando eu ouço as músicas eu não fico sabendo de onde as bandas ou artistas são, eu apenas avalio se a música é boa ou não”.

Nicobates é o codinome de Nicolau Amador, ex-guitarrista da Norman Bates, banda que por 16 anos foi uma das mais ativas e representativas do rock paraense, entre 1994 e 2011. Como produtor também trabalhou com o Coletivo Rádio Cipó e Suzana Flag. Guitarrista sempre presente na cena do rock paraense, lançou-se como compositor e cantor há cerca de três anos com a banda Nicobates e Os Amadores. Atualmente, banda é formada pelo compositor na voz e violão, Rafael Souza (guitarra), Claudio Fly (contrabaixo), Thiago Gama (bateria) e as vocalistas Ana Caraveo e Carol Endres.

“Metafísica do Piropo”, um brega pop que alterna momentos dançantes com pegadas fortes do rock, fala, segundo o autor de uma reflexão sobre os relacionamentos brincado com os temas de exaltação feminina comuns ao gênero brega. “´Piropo’ é a palavra lusitana para ‘galanteio’, a nossa tradicional ‘cantada’. No meio musical os compositores chamam de piropo as canções feitas para a conquista da sua musa inspiradora. Nesta canção em especial em tento subverter a ideia fazendo uma espécie de ‘DR’”, explica com bom humor o compositor paraense.

(G1/PA)