Pai é acusado de agredir filho de 3 anos no bairro Colina

O menino de apenas 3 anos foi encontrado com vários hematomas pelo corpo. A criança foi espancada com cipó de goiabeira e teve uma das mãos queimadas com um cigarro pelo pai, identificado como José Ailton Silva de Souza, de 23 anos.

O menino foi abandonado pela mãe e mora com o pai há um ano no bairro Colina. A denúncia foi feita por um familiar. A criança contou falou com detalhes sobre a agressão.

O caso foi registrado na delegacia especializada da mulher. José foi encaminhado à delegacia onde ficará detido e a criança foi entregue a avó com quem ficará até decisão da justiça.

Veja a reportagem completa.

Adolescente com meningite morre após 4 dias internada em Altamira

Helen Karen, de 15 anos, estava internada no Hospital Público Regional da Transamazônica – HRPT, desde o dia 21 de outubro, após ser diagnosticada com meningite. A menina não resistiu e morreu nesta sexta-feira (25) por volta de meio dia.

Helen morava em Medicilândia com os pais. A jovem teria passado mal na sala de aula da escola onde estudava e foi levada para o hospital da cidade, e logo em seguida transferida para o Hospital Regional com suspeita da doença.

A meningite é uma inflamação das meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. E pode ser causada por vírus ou por bactéria, que é mais grave. Esse é o primeiro caso da doença diagnosticado em Medicilândia nos últimos dez anos.

Quais são os sintomas da meningite?

A meningite é uma síndrome na qual, em geral, o quadro clínico é grave, por isso no momento em que achar que você ou alguém pode estar com sintomas de meningite deve procurar atendimento médico o mais rápido possível. Um médico pode determinar se você tem a doença, o tipo de meningite e o melhor tratamento.

Sintomas meningite bacteriana

Os sintomas da meningite incluem início súbito de febre, dor de cabeça e rigidez do pescoço. Muitas vezes há outros sintomas, como:

  • Mal estar
  • Náusea
  • Vômito
  • Fotofobia (aumento da sensibilidade à luz)
  • Status mental alterado (confusão)

Com o passar do tempo, alguns sintomas mais graves de meningite bacteriana podem aparecer, como: convulsões, delírio, tremores e coma.

Em recém-nascidos e bebês, alguns dos sintomas descritos acima podem estar ausentes ou difíceis de serem percebidos. O bebê pode ficar irritado, vomitar, alimentar-se mal ou parecer letargico ou irresponsivo a estimulos. Também podem apresentar a fontanela (moleira) protuberante ou reflexos anormais.

Na septicemia meningocócica (também conhecida como meningococemia) que é uma uma infecção na corrente sanguínea causada pela bactéria Neisseria meningitidis, além dos sintomas descritos acima, podem aparecer outros como:

  • Fadiga
  • Mãos e pés frios
  • Calafrios
  • Dores severas ou dores nos músculos, articulações, peito ou abdomen (barriga)
  • Respiração rápida
  • Diarréia
  • E, manchas vermelhas pelo corpo

Sintomas meningite viral

Os sintomas iniciais da meningite viral são semelhantes aos da meningite bacteriana. No entanto, a meningite bacteriana é geralmente mais grave.

  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Rigidez no pescoço
  • Náusea
  • Vômito
  • Falta de apetite
  • Irritabilidade
  • Sonolência ou dificuldade para acordar do sono
  • Letargia (falta de energia)
  • Fotofobia (aumento da sensibilidade à luz)

Em recém-nascidos e bebês, alguns dos sintomas descritos acima podem estar ausentes ou difíceis de serem percebidos. O bebê pode ficar irritado, vomitar, alimentar-se mal ou parecer letárgico (falta de energia) ou irresponsivo a estimulos. Também podem apresentar a fontanela (moleira) protuberante ou reflexos anormais.

No Brasil, 20% das crianças vacinadas contra a meningite não recebem a aplicação da dose de reforço e, no ano passado, 5% abandonaram a vacinação. Entre adolescentes, o índice de imunização incompleta é de 40%. Em 2018, o Ministério da Saúde contabilizou mais de 3 mil mortes causadas pela doença, de um total de 15.706 casos no ano.

Pará vai ganhar zoneamento de risco climático para o feijão-caupi

A partir de 2020 o produtor paraense de feijão-caupi contará com um novo instrumento que garantirá mais segurança técnica e financeira às safras da cultura. Em reunião realizada nessa quinta-feira (24), na sede da Embrapa Amazônia Oriental, em Belém, foram apresentados e validados os parâmetros e índices técnicos, para a operacionalização do primeiro Zoneamento de Risco Climático (ZARC) para esse cultivo no estado.

Participaram do evento diversas entidades que compõe a cadeia produtiva no Pará, com instituições de pesquisa, extensão rural, produtores e representantes da Federação da Agricultura no Estado (Faepa). Apos a validação e ajustes com a cadeia produtiva local, os dados serão sistematizados e devem ser publicados em portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para a safra 2020/2021.

O pesquisador Alailson Santiago, ponto focal da equipe do ZARC no estado e responsável técnico da reunião, explicou que o zoneamento é um passo importante para o fortalecimento da cultura, pois fornece apoio aos instrumentos de política agrícola e gestão de riscos na agricultura.

Por meio do ZARC reduz-se os riscos relacionados aos fenômenos climáticos, pois fornece a cada município e região, a indicação da melhor época de plantio considerando os diferentes tipos de solo e ciclos de cultivares, conforme explicou Edson Bastos, pesquisador da Embrapa Meio-Norte. Com isso, garante-se mais segurança ao produtor, minimizando os riscos da atividade agrícola e facilitando a acesso a crédito e ao prêmio do seguro rural, desde que observadas as recomendações contidas nos pacotes tecnológicos para cada cultura.

Pará apresenta potencial de produção e acesso a novos mercados
O Pará reúne um conjunto de características que pode potencializar a produção do feijão-caupi no estado. É o que afirma o pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Francisco Freire, um dos maiores especialistas em feijão do país. “O Pará tem clima e solos propícios, tecnologia de maquinário, manejo e genética. Outro aspecto importante é a infraestrutura para comercialização e exportação, por meio dos portos existentes no estado”, avalia o pesquisador.

O potencial de expansão da cultura também se beneficia da consolidação do plantio de soja que a cada ano, aumenta no estado. “O caupi é uma excelente opção para a safrinha dos plantios de soja”, enfatiza Freire.

O primeiro ZARC de feijão-caupi do Pará foi recebido com expectativa pelo setor produtivo. O produtor Benedito Dutra disse que a cultura necessita ser fortalecida no estado, pois tem o volume de produção tem caído nos últimos anos. “O número de produtores de caupi está cada vez menor, por outro lado, os que insistem têm se profissionalizado e hoje a maior parte dos cultivos já é mecanizada, mas precisamos investir para que a cultura volte a ser produzida também pela agricultura familiar de pequeno porte, pois é um produto essencial à segurança alimentar no estado”, alerta o produtor.

Douglas Rocha Cunha, representante da Faepa, acredita que o Pará pode vir a se tornar um grande produtor nacional e garante que o caupi é altamente competitivo. “A mecanização total do feijão-caupi já é realidade e hoje é uma forte opção de investimento no estado, pois tem baixo custo de implantação e se o produtor fizer tudo certo, com os pacotes tecnológicos disponíveis, terá, com certeza, uma atraente taxa de retorno de capital e com o ZARC esse potencial se fortalece”, defende Cunha.

ZARC do feijão-caupi é definido para três estados
Além do Pará, os estados de Pernambuco e Ceará realizaram reuniões técnicas de apresentação e validação dos critérios de risco climático para a cultura do caupi. Os encontros foram iniciados no dia 22, em Recife, na sede do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA). Parte da equipe da Embrapa que integra o projeto ZARC, composta pelos pesquisadores da Embrapa Meio-Norte, Edson Alves Bastos e Aderson Soares de Andrade Júnior, também promoveu o debate em Fortaleza, no dia 23 e no dia 24, em Belém.

Edson Bastos lembrou que os estados de Pernambuco e Ceará já possuem o ZARC para o feijão-caupi e os encontros são de atualização e melhoramento constante da ferramente. A novidade foi mesmo a apresentação no Pará, que pela primeira vez terá o caupi na lista das culturas atendidas pelo ZARC, ao lado do milho e da soja.

(Ascom Embrapa)

Urso ataca treinador durante espetáculo em circo na Rússia; veja vídeo

Durante um espetáculo de circo em Olonets, no noroeste da Rússia, um treinador foi atacado por um urso enquanto fazia um número com o animal selvagem. O ataque foi registrado pelo público, que acompanhou à terrível cena bem de perto, sem qualquer proteção.

Uma mulher da plateia fez o vídeo, que mostra o exato momento em que o urso, que estava andando sobre suas patas traseiras, avança sobre o treinador, o morde e o derruba no chão. Outro integrante do circo chega a chutar o urso para tentar parar o ataque, enquanto o público presente grita e tenta encontrar a saída.

Segundo informações da imprensa local, obtidas pelo G1, o urso chegou a se voltar para a plateia, mas foi detido após receber choques elétricos.

As autoridades russas chegaram a abrir uma investigação criminal para saber se o circo funcionava de maneira segura.

O vídeo contém imagens fortes.

Direitos animais

Além de ser extremamente inseguro para os integrantes do espetáculo e para o público presente, a prática de apresentar números com animais em circos viola um direito fundamental à vida e à liberdade dos bichos.

No Brasil, tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 7291/2006, de autoria do senador Álvaro Dias (Podemos/PR), que proibiria “o emprego de animais da fauna silvestre brasileira e exótica na atividade circense”.

Doze estados brasileiros já proíbem o uso de animais em circos. Se no seu estado a prática ainda não é proibida, uma solução é não incentivar esse tipo de atividade. Simplesmente não vá e não dê seu dinheiro a quem maltrata animais com o objetivo de proporcionar lazer.

Força-Tarefa Penitenciária é prorrogada por mais 90 dias no Pará

No estado desde o massacre no presídio de Altamira, no final de julho, agentes da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP), permanecerão no Pará por mais 90 dias. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), desta sexta-feira (25).

Segundo o documento, a Força-Tarefa, está designada a exercer a coordenação das atividades de guarda, de vigilância e de custódia de presos, a partir de segunda-feira (28) até o dia 25 de janeiro de 2020.

A operação terá o apoio logístico e a supervisão dos órgãos de administração penitenciária e segurança pública do governo paraense, que solicitou a prorrogação.

“O número de profissionais a ser disponibilizado pelo ministério obedecerá ao planejamento definido pelos entes envolvidos na operação.”

CRRA

No dia 29 de julho, grupos rivais entraram em confronto no Centro de Recuperação Regional de Altamira – CRRA.

O massacre culminou na morte de 62 detentos. 58 morreram no ataque, destes 16 foram decapitados e os outros morreram por asfixia devido à fumaça do incêndio, provocado pelos presos. Outros 4 foram mortos no caminhão cela que seguia com os detentos transferidos para Belém.

Após repercussão nacional e até internacional, o Governo do Estado através da Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará – Susipe, anunciou medidas para episódios como esse não aconteçam mais nas unidades penais.

(Com informações Rádioagência Nacional)

Bombeiros do Pará atingem quase 100% de êxito nas missões de mergulho

No retorno à superfície, eu acabei me enroscando em uma malha de rede que estava solta no fundo do rio, há 25 metros de profundidade. Além de ficar preso, eu já estava com pouco suprimento de ar. Nessa ânsia de me desvencilhar, meu ar acabou, e foi nesse momento que meu companheiro de mergulho surgiu e me supriu com o ar do próprio cilindro. Cortou a rede e me levou até a superfície”. O depoimento do cabo Sandro Gonzaga, 38 anos, mergulhador experiente do 1º Grupamento Marítimo Fluvial do Corpo de Bombeiros Militar do Pará (1º GMAF/CBMPA), mostra como o trabalho desses profissionais é fundamental para salvar vidas, até mesmo de quem é preparado para enfrentar situações emergenciais.

A experiência relatada pelo cabo Gonzaga ocorreu durante o resgate de um náufrago na Baía do Marajó, em 2014. Nesta história, o outro personagem é o cabo Wellington Silva, também com 38 anos, que fez o resgate. “Quando eu percebi que ele não me tocou, eu desci, e não pensei duas vezes em voltar. É uma situação prevista nos nossos treinamentos. Somos preparados para enfrentar e salvar vidas”, ressaltou o militar.

caso não só demonstra o risco inerente da profissão. Também revela o nível de qualificação que somente os mergulhadores do Corpo de Bombeiros do Pará têm ao trabalhar, sem visibilidade, nas águas barrentas dos rios da Amazônia.

Tropa de elite

Segundo o capitão Leonardo Sarges, comandante do 1º GMAF, esse tipo de experiência confere ao Grupamento Marítimo Fluvial o reconhecimento como “tropa de elite” do Corpo de Bombeiros Militar do Pará.

“Isso é notório fora daqui, entre os bombeiros militares de todo o País. Por isso já participamos de missões, junto com a Força Nacional, em Moçambique (África). Não só pelo desafio de mergulhar em nossos rios, mas também pela grandeza dos eventos em que somos acionados. Um exemplo foi a operação arriscada e bem-sucedida que resgatou os corpos dos irmãos Novelino”, relembrou Leonardo Sarges.

Eficiência

Em 13 anos de atuação do 1º GMAF/CBM-PA nunca houve sequer uma perda de mergulhador durante as atividades de busca, resgate e salvamento. Em relação ao resultado das operações, um levantamento feito pelo próprio grupamento aponta que, de 2014 a 2018, foram registrados 553 casos atendidos pelos mergulhadores, e apenas um corpo não foi encontrado. Isso representa 99,76% de êxito nas missões registradas nos últimos cinco anos.

“Embora haja todas as condições desfavoráveis no ambiente em que somos acostumados a trabalhar, isso se deve à qualidade do nosso treinamento e manutenção. Desde que o Grupamento foi criado, as operações aquáticas do Corpo de Bombeiros ganharam notória evolução em todas as fases: preventivas, de socorro, assistenciais e reconstrutivas”, destacou o militar.

Um desempenho que fez o bombeiro militar Diego Cunha optar este ano pelo curso de mergulho. Para ele, é uma profissão importante numa região banhada por rios, pelos quais trafegam milhares de embarcações. “O preparo técnico e os ensinamentos que são dados nos motivam ainda mais a seguir a área. Além disso, ter um profissional qualificado em mergulho é extremamente importante para a população paraense. Tento dar o máximo de mim para chegar à formatura e fazer parte da tropa de elite dos bombeiros do Pará”, afirmou Diego Cunha.

Ações dos Bombeiros do Grupamento Fluvial de Belém (Foto: Jader Paes / Agência Pará)

De coveiro a cantor, conheça a história do altamirense Edu Costta

Edu Costta tem 27 anos e traz com ele uma vontade enorme de se tornar reconhecido através do seu talento musical. Ele conta que iniciou o aprendizado ainda criança.

Edu já foi coveiro e passou por diversas atividades. Mas a história que ele faz questão de contar é de felicidade, através da música.

Confira a reportagem completa.

Comércio é alvo de criminosos no Paixão de Cristo

As imagens do circuito interno de vigilância mostram o criminoso agindo. Ela usa uma espécie de ferramenta para arrombar uma caixa, e retirar o dinheiro da venda do dia. Tudo foi registrado, inclusive, o rosto do assaltante, que não fez questão de esconder. O proprietário do bar, agora, espera vê-lo detido pela polícia.

Essa é a terceira vez que o comércio é alvo de criminosos no bairro Paixão De Cristo. Em todos os casos, a forma de agir e o objetivo dos criminosos é o mesmo. Eles procuram por objetos que possam ser comercializados rapidamente, como bebidas e dinheiro.

Após fazer o boletim de ocorrência, o comerciante entregou as imagens à polícia.

Assista ao vídeo

Confira 13 temas de redação que podem cair no Enem

Para fazer uma boa redação no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), professores recomendam treinar durante o ano. O aluno pode aprender a administrar o tempo que leva para escrever, a estruturar corretamente seus argumentos e a construir produções coesas.

Mais abaixo, veja uma lista de 13 temas sugeridos por coordenadores e docentes de cursinhos pré-vestibulares e colégios. São apostas do que pode ser abordado no Enem 2019.

“Essas listas de assuntos possíveis são, na verdade, recomendações de leitura, dicas do que priorizar para formar repertório. O aluno pode buscar informações e reflexões. É preciso ter consciência de que a redação é um exercício multidisciplinar, e aí descobrir em quais áreas ainda é preciso se aprofundar”, afirma Sérgio de Lima Paganim, professor de Redação e Coordenador de Linguagens do Curso Anglo Vestibulares.

Mas não basta estar bem informado. É preciso dominar a estrutura correta e escrever um texto dissertativo-argumentativo. “Os alunos ficam muito preocupados em conseguir adivinhar o tema da redação antes. Só que não dá para esquecer que o formato é essencial para tirar uma nota boa”, diz Tatiana Nunes, professora do Colégio Mopi. Ela menciona a importância de elaborar uma tese, sustentar a argumentação e escrever uma conclusão com proposta de intervenção.

Apostas de tema

1. Meio ambiente:

· preservação ambiental

· exploração de recursos naturais

· tragédias ambientais, como as de Mariana e Brumadinho

· avanço da pecuária sobre áreas verdes

· aquecimento global

· queimadas e desmatamentos

“Pesquisar sobre acordos internacionais de preservação ambiental e posições políticas do governo brasileiro e de outras nações a respeito desses assuntos pode dar consistência à discussão do tema”, afirma Paganim.

2. Saúde pública:

· aumento de casos de doenças sexualmente transmissíveis entre jovens

· gravidez na adolescência

· surto de sarampo

· polêmicas sobre vacinas

“Conhecer a argumentação desses grupos, os fundamentos da prática de vacinação pública e dados sobre a prevenção e a disseminação de DSTs pode construir uma rede de reflexões muito útil para discutir temas sobre saúde pública”, diz Paganim.

3. Segurança pública:

· porte e posse de armas

· crise do sistema penitenciário brasileiro

· políticas de segurança pública

· violência urbana

“Pesquisar sobre eficientes iniciativas públicas de segurança pública, condições dos presídios brasileiros e opiniões a respeito da ação de polícias certamente ajudará a fundamentar boas reflexões sobre temas ligados à violência”, sugere o professor do Anglo.

4. Controle parental:

· exposição de crianças a jogos, filmes e vídeos impróprios

· perigo do contato de crianças com a internet

“Há hoje várias pesquisas que mostram que os pais não estão atentos aos que os filhos veem e consomem na internet. O aluno que está se preparando para desenvolver esse tema deve procurar dados sobre o desenvolvimento das crianças”, afirma Thiago Braga, professor do Sistema de Ensino pH.

5. Obesidade no Brasil:

· crescimento dos índices de obesidade no Brasil

· políticas públicas de combate à obesidade

· obesidade infantil

“O aluno deve se preparar conhecendo as principais causas e consequências da obesidade na população, desde a oferta de alimentos até estresse, hipertensão arterial e problemas cardiovasculares”, aconselha Braga.

6. Mobilidade urbana:

· meios de transporte alternativos

· estrangulamento das malhas urbanas

· problemas no sistema de transporte público

“Em São Paulo, por exemplo, há alternativas que podem ser citadas na redação, como o uso de bicicletas e patinetes, além da implementação de ciclovias e ciclofaixas”, afirma Simone Motta, coordenadora de português do Colégio Etapa.

7. Evasão escolar:

· abandono da escola durante o ensino fundamental e médio

“A evasão escolar no Brasil é a 3ª maior do mundo, segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Uma parcela representativa de estudantes não fica na escola até os 16 anos e 40% deles não concluem o ensino médio até os 19 anos”, menciona Gabriella de Araújo Carvalho, coordenadora de redação do Curso Poliedro de São Paulo.

“O aluno pode se sair bem com uma coletânea que apresente os dados e as classes sociais que mais evadem, as justificativas e soluções para essa questão”, sugere.

8. Analfabetismo:

· desigualdade social e analfabetismo

“O estudante pode discorrer sobre o direito à educação, previsto por lei para todas as pessoas, independentemente de sua origem, raça, idade, sexo ou cor. E também trazer possíveis soluções para o problema”, diz Carvalho.

9. Crise hídrica:

· causas e consequências da crise hídrica no Brasil

“É importante abordar a importância da água e mostrar, na proposta de intervenção, formas de combate ao desperdício”, diz Tatiana Nunes, do Colégio Mopi.

10. Consumo e sustentabilidade:

· desperdício e consumismo

“O consumo consciente e a preocupação com a sustentabilidade devem ser sinalizados na proposta de intervenção”, afirma Tatiana.

11. Bullying nas escolas:

· agressões e ameaças na escola

· violência psicológica

· preconceito

“Nesse tema, o candidato pode abordar o que é bullying e suas consequências para crianças e jovens. Quanto à proposta de intervenção, a sugestão é apontar possibilidades de combate à discriminação, dentro e fora das escolas”, sugere a professora do Mopi.

12. Preconceito linguístico:

· diversidade linguística no Brasil

· importância de não inferiorizar determinadas variações do idioma

“O tema é interessante, porque temos diversos ‘falares no Brasil que não podem, de forma alguma, ser hierarquizados”, diz Tatiana.

13. Esportes como inclusão social:

· importância do esporte como oportunidade para jovens pobres

· esportes para pessoas com deficiência

“O assunto ‘esporte’ pode aparecer como forma de inclusão para crianças e jovens carentes. É importante citar que, além de ser uma prática saudável, pode realizar sonhos”, diz Tatiana.

(Fonte: G1)

Saque do FGTS para nascidos em fevereiro e março começa nesta 6ª

A Caixa Econômica Federal inicia nesta sexta-feira (25/10/2019) mais uma etapa de liberação do saque imediato do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que paga até R$ 500 por conta ativa ou inativa. Os trabalhadores nascidos em fevereiro e março sem conta no banco poderão retirar o dinheiro.

O saque começou em setembro para quem tem poupança ou conta corrente na Caixa, com crédito automático. Segundo o banco, no total, os saques do FGTS podem resultar em uma liberação de cerca de R$ 40 bilhões na economia até o fim do ano.

Originalmente, o saque imediato iria até março, mas o banco antecipou o cronograma, e todos os trabalhadores receberão o dinheiro este ano.

Atendimento

Os saques de até R$ 500 podem ser feitos nas casas lotéricas e terminais de autoatendimento para quem tem senha do cartão cidadão. Quem tem cartão cidadão e senha pode sacar nos correspondentes Caixa Aqui, apresentando documento de identificação, ou em qualquer outro canal de atendimento.

No caso dos saques de até R$ 100, a orientação da Caixa é procurar casas lotéricas, com apresentação de documento de identificação original com foto. Segundo o banco, mais de 20 milhões de trabalhadores podem fazer o saque só com o documento de identificação nas lotéricas.

Quem não tem senha e cartão cidadão e vai sacar mais de R$ 100, deve procurar uma agência da Caixa.

Embora não seja obrigatório, a Caixa orienta ainda, para facilitar o atendimento, que o trabalhador leve também a Carteira de Trabalho para fazer o saque. O documento pode ser necessário para atualizar dados.

As dúvidas sobre valores e a data do saque podem ser consultadas no aplicativo do FGTS (disponível para iOS e Android), pelo site ou pelo telefone de atendimento exclusivo 0800 724 2019, disponível 24 horas.

A data limite para saque é 31 de março de 2020. Caso não seja feito, os valores retornam para a conta do FGTS do trabalhador.

Horário especial

Para facilitar o atendimento, a Caixa vai abrir 2.302 agências em horário estendido nesta sexta e na segunda-feira (28/10/2019). As agências que abrem às 8h terão o encerramento do atendimento duas horas depois do horário normal.

As que abrem às 9h terão atendimento uma hora antes e uma hora depois. Aquelas que abrem às 10h iniciam o atendimento com duas horas de antecedência. E as que abrem às 11h também iniciam o atendimento duas horas antes do horário normal.

A lista das agências com horário especial de atendimento pode ser consultada no site da Caixa.

A Caixa destaca que o saque imediato não altera o direito de sacar todo o saldo da conta do FGTS, caso o trabalhador seja demitido sem justa causa ou em outras hipóteses previstas em lei.

Essa modalidade de saque não significa que houve adesão ao saque-aniversário, que é uma nova opção oferecida ao trabalhador, em alternativa à sistemática de saque por rescisão do contrato de trabalho.

Por meio do saque-aniversário, o trabalhador poderá retirar parte do saldo da conta do FGTS anualmente, de acordo com o mês de aniversário.

(Agência Brasil)