Jovem se destaca com vídeos românticos e motivacionais

É através do celular que Jhonatan Caetano dos Reis ou “Loirinho Romântico Júnior”, como é conhecida nas redes sociais, movimenta o seu canal no Youtube sobre amor e relacionamentos. Os vídeos são editados e postados pelo aparelho, que hoje, é a principal ferramenta que ele tem pra fazer suas atividades. “Tudo começou com um celular J1 mini eu comecei a fazer vídeo por ele, mesmo com celular danificado eu continuava o canal. Hoje estou com celular melhor e faço tudo por ele”, conta o jovem.

O canal do jovem romântico foi criado há um ano. Os vídeos abordam diversas questões de relacionamento amoroso. “Foi crescendo eu nunca desisti, mesmo as pessoas criticando”, lembra.

Neste período ele atingiu mais de 38 mil seguidores. As visualizações já renderam a ele um valor acima de um salário mínimo. Dinheiro que ele investiu na sua ideia. “Quando fiz um ano com meu canal ele foi aprovado no Youtube e começou a gerar dólares e já recebi meu primeiro pagamento.”

Para muitos jovens, o amor parece estar fora de moda. Jhonatan por ser romântico, já foi duramente criticado por amigos, mas conta que não se deixou abalar e continuou postando os vídeos.

Mas, não é somente de amor entre casais que o canal fala. Loirinho também fala de amor próprio, de autoestima e de superação.

O youtuber altamirense se sentiu mais motivado a continuar seus trabalhos no seu canal com os vídeos após conhecer Lívia Oliveira, que superou a depressão através de seus vídeos e se tornou uma das maiores seguidoras do canal. “Quando eu tô muito triste eu gosto de ver vídeo mais triste ainda, e fui passando, passando até que chegou o dele e era de motivação para pessoas que tinham depressão e aí eu comecei a gostar do canal dele. Eu fui na página dele assisti todos os vídeos e me ajudou a melhorar bastante”, conta Lívia.

A princípio, a estudante não sabia que o responsável pelos vídeos era de Altamira e ficou ainda mais feliz quando descobriu que ele morava na mesma cidade.
O jovem pretende investir em equipamentos pra melhorar a qualidade do trabalho. Mas, ele nos mostra que não precisamos de muito para realizar nossos sonhos e mudar o mundo ao nosso redor. Ele mostra que o romantismo, o amor e a superação são também o lado bom de Altamira.

Veja a reportagem completa

Homem é atingido por roda de carro em mesa de bar; veja vídeo

Um homem foi atingido por uma roda que se soltou de um carro em movimento em uma avenida de Goiânia, em Goiás. A vítima já usava muletas por causa de um ferimento na perna. Imagens de câmeras de segurança mostram o homem sendo arremessado após ser atingido pela roda.

As imagens mostram que o acidente aconteceu no último dia 1º de agosto, às 22h42. A roda sai do carro, sobe a calçada em alta velocidade e atinge o homem que estava na calçada de um bar.

Após ser atingido, ele é arremessado. Outros homens que estavam conversando vão em direção à vítima para ajudar. Um deles vai em direção ao carro para tentar localizar o motorista.

O homem foi levado para um hospital e, segundo a unidade hospitalar, recebeu atendimento médico e foi liberado.

(Informações G1)

Dentadura é encontrada na garganta de homem uma semana após cirurgia

A dentadura de um paciente ficou presa em sua garganta durante uma operação de rotina e só foi encontrada depois de oito dias.

O homem de 72 anos queixou-se de dificuldades de deglutição e estava tossindo sangue antes que os médicos encontrassem a prótese.

Ele visitou o Hospital Universitário James Paget, em Norfolk, diversas vezes depois de passar por uma cirurgia e transfusões de sangue para corrigir as complicações de um procedimento no abdômen.

Detalhes do caso foram publicados na revista “BMJ Case Reports”, na qual os autores recomendam que dentaduras sejam retiradas antes da anestesia geral.

Dificuldades para comer

Seis dias após a cirurgia para remover um caroço inofensivo de sua parede abdominal em 2018, o homem foi ao departamento de emergência britânico e disse aos médicos que não conseguia ingerir alimentos sólidos.

Os médicos acreditavam que o problema era causado por uma infecção respiratória e os efeitos colaterais de ter um tubo colocado em sua garganta durante a cirurgia, e prescreveram antibióticos e esteroides.

Quando o homem voltou, dois dias depois, a equipe médica examinou mais detalhadamente e encontrou um objeto semicircular sobre as cordas vocais.

Ele então disse aos médicos que havia perdido sua dentadura – três dentes falsos e uma placa dentária – durante o tempo em que ficou no hospital para a cirurgia.

Após a cirurgia para remover as próteses, ele recebeu alta, mas retornou mais quatro vezes com sangramento.

Enquanto os cirurgiões cauterizavam a ferida em sua garganta, ele perdeu tanto sangue que precisou de uma transfusão.

A presença de quaisquer tipos de dentadura ou placas dentárias deve ser registrada antes e depois da cirurgia, acrescentaram.

Hazel Stuart, diretora médica do Hospital Universitário James Paget, disse que uma investigação completa foi realizada.

“Como resultado disso, os procedimentos foram revisados, alterados conforme necessário, e as lições aprendidas foram compartilhadas com a equipe”, disse ela.

(G1)

Nova rotatória é para evitar acidentes, diz Demutran

A falta de atenção no trânsito provoca diversos acidentes. Um deles aconteceu na nova rotatória que fica no cruzamento da Avenida Tancredo Neves com a rua Secundino Gomes. O mototaxista estava dando alerta que entraria na rotatória, mas não foi o suficiente para evitar o acidente com outra moto. “Eu tava na rotatória e quando eu vi ele já estava fechando e não deu mais tempo”, conta um dos condutores envolvidos no acidente.

Na tentativa de diminuir os acidentes nesse trecho da avenida, o Departamento Municipal de Trânsito de Altamira iniciou um trabalho de sinalização na via. Na internet, teve muita gente que não entendeu a colocação da nova rotatória, por ser apenas uma pintura no chão. “Dentro da técnica da engenharia é permitido, nós observamos, fizemos um estudo, levantamento e instalamos essa mini rotatória de tachões. No Brasil todo esse tipo de rotatória é comum”, explica Manoel Silva da divisão de tráfego do Demutran.

O departamento alerta os motoristas que precisam, a todo o momento ter atenção no trânsito, em especial nesse cruzamento que é muito movimentado. “Tudo que você puder fazer para diminuir o número de acidentes é louvável”, conta Manoel.

Além da rotatória, o Demutran está fazendo a sinalização com pintura no asfalto.

Filho agride mãe no bairro Mutirão, em Altamira

No rosto da mãe, as marcas da violência causadas pelo próprio filho, Rafael Olivera da Silva, 31 anos. Ele foi preso em flagrante pela Polícia Militar, no bairro Mutirão.

“Ele estava em casa, nós estávamos almoçando e ele ligou o celular que a mulher disse que ia lá levar um dinheiro pra ele comprar umas coisas. Aí o que que aconteceu, ela vendeu uma casa e ele disse que a mulher não ligava e começou a xingar. Aí eu pedi pra ele parar com aquilo. Aí eu sai e ele saiu atrás gritando, me xingando, aí ele pegou uma cadeira e jogo em mim e o vizinho correu pegou e celular e chamou a polícia”, conta a mãe.

Rafael foi liberado para o feriado do dia dos pais, ele estava preso há 4 anos e responde pelo crime de roubo.

A mãe de Rafael tem 53 anos e mora com o neto. Ela contou que, após o filho receber o indulto, já teria chegado na residência a ameaçando e até teria usado uma faca pra amedrontar a namorada.

Segundo ela, o filho faz parte de um grupo de detentos evangélicos no Centro de Recuperação de Altamira. Rafael ficará preso e depois será encaminhado novamente ao presídio e deverá responder pelo crime de agressão à mulher, enquadrado na lei Maria da Penha.

(Karine Weil)

Assista ao vídeo

Hemopa fecha na quinta-feira, mas na sexta funcionará normalmente

O centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará – Hemopa, não vai funcionar neste feriado em todo o estado. O serviço será retomado na sexta-feira (16), em horário normal.

A coleta de sangue segue normalmente nos hemocentros regionais de Castanhal, nordeste do Pará, Marabá, no Sudeste, e Santarém, no oeste Paraense.

Os Hemonúcleos também vão abrir na sexta-feira. Em altamira, Tucuruí, Redenção e Capanema, seguem com horários de funcionamento local.

O Hemopa informa que as pessoas que precisarem de doação de sangue não serão prejudicadas pelo fechamento no feriado de adesão do Pará à independência do Brasil.

Lembrando que para doar sangue, a pessoa deve ter entre 16 e 69 anos, ter mais de 50kg, estar bem de saúde e portar um documento oficial com foto.

Assista ao vídeo

IML de Altamira começa a liberar os corpos

Os 20 corpos identificados através dos exames de DNA realizados pelo laboratório de genética forense, do Instituto de Criminalística do Centro de Perícias Renato Chaves, começaram a ser retirados do caminhão, na tarde desta terça-feira (13). Eles foram levados para o IML de Altamira onde estão sendo entregue aos familiares. Em relação aos outros 10 detentos que também morreram carbonizados durante o massacre, ainda não foi possível confirmar a identificação dos corpos.

Os corpos continuam armazenados em um caminhão frigorífico estacionado aqui no pátio do 16º batalhão da Polícia Militar, desde o dia 1 de agosto.

Será necessário realizar a coletagem de um novo material biológico de familiares dos detentos para serem submetidos a novas análises complementares, para identificação e liberação. Dos 58 detentos mortos, 30 foram carbonizados durante o massacre no centro de recuperação regional de altamira, no dia 29 de julho.

Vai viajar para São Paulo, Rio ou Pará? A vacina contra o sarampo é necessária

Pessoas que vão viajar para São Paulo, Rio de Janeiro ou Pará, devem tomar a vacina contra o sarampo, devido ao surto da doença registrado nestes estados.

Nestes casos, a faixa etária com indicação da vacina foi ampliada para 6 meses aos 59 anos de idade. Segundo o informe de março do Ministério da Saúde, foram 23 casos confirmados somente nos três primeiros meses de 2019 no Pará. Em 2018 o estado confirmou 79 episódios de sarampo.

Segundo o documento, “no dia 06 de março, foi confirmado, por critério laboratorial, pela Secretaria Estadual de Saúde do Pará (SESPA), casos de sarampo em três crianças, menores de 10 anos de idade, que apresentaram exantema após o dia 19 de fevereiro de 2019. Considerando que o surto no Estado do
Pará está relacionado com o surto de Roraima e Amazonas (iniciados em fevereiro de 2018), o Brasil passa a manter a transmissão do vírus do sarampo por um período maior que 12 meses, o que poderá resultar na perda da certificação para o País e para toda a Região das Américas.”

(Mayara Freire)

Jovem conta como é conviver com HIV

Juliano (nome fictício) descobriu o HIV com 23 anos e há 7 anos convive com a doença. Para ele, mais difícil que lidar com o tratamento, foi lidar com o preconceito, e a auto aceitação. “As pessoas ainda acham que ser soro positivo significa morrer de um dia pro outro ou ficar doente o tempo todo”, conta.

A década de 80 ficou marcada com a expansão do vírus no mundo. Naquele momento, todo tipo de mito e falta de informação sobre o assunto alimentou o preconceito e gerou um estigma que segue até hoje. E é esta imagem errada sobre a doença que faz com que muitos interrompam o tratamento ou deixem de buscar o resultado do exame.

“Muitas vezes a gente vai pra internet e tem um choque. Lembro que procurei a expectativa de vida e na época tinha um texto dizendo pra minha idade a expectativa era de 32 anos e claro, fiquei desesperado.”       

HIV 

O Vírus da Imunodeficiência Adquirida (HIV) é um tipo de retrovírus que ataca as células do sistema imunológico, responsável pela defesa do corpo contra organismos invasores, como bactérias, fungos e, claro, os vírus. 

AIDS

Somente quando o vírus HIV não é tratado a pessoa infectada desenvolve a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids), que é provocada pela queda da capacidade de combate do sistema imunológico. 

Segundo levantamentos apresentados pelo Ministério da Saúde, o Pará ocupa o segundo lugar com o maior número de mortes causadas pelo vírus do HIV no Brasil. Nos últimos quatorze anos já morreram mais de sete mil pessoas por AIDS. Elas faziam parte do grupo de pacientes que abandonaram o tratamento e obtiveram o diagnóstico tardio. “As pessoas tem ideias erradas. A diferença de HIV e Aids, por exemplo. As pessoas ainda tem pensamento fechado para isso e por isso eu não abro pra qualquer pessoa. As pessoas precisam se informar mais”, explica Juliano.   

Jovem, prestes a se casar, e tendo que lidar com o diagnóstico. “O momento foi péssimo. Eu descobri em um laboratório particular e eles não tinham estrutura nenhuma pra esse momento, nenhum preparo psicológico, ao contrário do que acontece no SUS. Ai quando eu peguei no público foi diferente, houve apoio, a psicóloga me entregou o resultado e me encaminhou para o tratamento”, relembra.

No Pará, Entre as maiores taxas no estado, estão oito cidades, incluindo a capital. No perfil epidemiológico nos últimos 44 anos, o estado soma mais de 11 mil casos da doença segundo a secretaria de saúde do estado – Sespa.

De acordo com o estudo, a falta de informação e a falta de prevenção são as principais causas da contaminação da doença. A maior faixa etária das pessoas infectadas em Altamira, por exemplo, é entre 19 a 29 anos.

Para a coordenadora do Centro de Testagem e Acompanhamento de DST/AIDS de Altamira, Marta Reis, um tabu ainda é a vergonha. “Por Altamira ser pequena todo mundo se conhece, e muitas vezes a pessoas tem vergonha de acessar os serviços e isso implica também em abandono de tratamento e outras questões que colocam em risco a saúde de quem vive com HIV, AIDS”, explica a coordenadora.

Juliano ressalta ainda que ter algum tipo de apoio é importante. “O SUS dá um suporte muito bom. No meu caso não houve apoio familiar. Eu que tive que dar força para quem estava ao meu lado. Todo tratamento, até hoje, eu não tive apoio, de irem comigo, de querer saber mais da doença. Eles ignoraram e tive que seguir sozinho”, revela.

Hoje ser soro positivo é uma questão tranquila pra ele. “Meu conselho é: não abandone o tratamento. Se cuide, como todos temos que cuidar da saúde, com uma boa alimentação, com medicamentos. Não é um bicho de sete cabeças”, declara.

Quando o assunto é relacionamento Juliano explica que prefere ter cautela. “Depende muito da pessoa, se eu percebo que pode rolar um futuro eu conto antes de me envolver mais, para não me frustrar depois. Já aconteceu de contar depois de um mês e a reação ser péssima, a pessoa terminar, então prefiro dizer logo no início. “

Entre os mitos, está o de que a pessoa com HIV tem obrigação de contar para os parceiros sobre o vírus e que não contar seria crime. Na verdade, a pessoa tem direito à privacidade, já que revelar sua condição pode trazer consequências negativas em termos de discriminação e perda de emprego, por exemplo. O que é crime é violar a privacidade da pessoa vivendo com HIV, contando para outros sua condição para prejudicá-la.

Mitos e verdades

  • O HIV pode ser transmitido por compartilhamento do vaso sanitário.

Mito. O vírus HIV não é transmitido através do contato com objetos não-perfurantes, como vaso sanitário, assentos de ônibus ou metrô. Beijo, abraço ou aperto de mão também não transmite o vírus. O HIV pode ser transmitido pelo sexo, pelo sangue, na gravidez, no parto ou na amamentação.

  • A camisinha é a única forma de prevenção ao HIV.

Mito. A camisinha é o método mais completo porque previne o HIV, as outras infecções sexualmente transmissíveis e a gravidez. Mas, quanto ao HIV, podemos citar outras três formas, a PEP, a PrEP e o tratamento como prevenção (ver a seguir).

  • Mesmo o teste tendo o resultado negativo, ainda pode ser que eu tenha HIV.

Verdade. O teste não consegue acusar a infecção logo no começo, porque ele detecta os anticorpos que o corpo produz para se defender da infecção. Esse período inicial que o teste não consegue detectar é chamado de janela imunológica. Para os exames que usamos geralmente no SUS, a janela é de cerca de 30 dias. Ou seja, se sua última situação de risco foi há mais de 30 dias, então você pode confiar que o resultado é negativo mesmo. Porém, se foi há menos de 30 dias, é preciso que se completem 30 dias para repetir o exame.

  • Fiz sexo sem camisinha ontem e me arrependi, pois posso ter entrado em contato com o vírus. Só me resta lamentar e esperar 30 dias para poder fazer o teste.

Mito. Hoje temos a PEP (profilaxia pós-exposição). A pessoa que transou sem camisinha e acredita que possa ter entrado em contato com o vírus pode procurar a PEP, um tratamento preventivo de urgência que deve ser iniciado em até 72 horas após a relação sexual e que dura 28 dias.

  • A pessoa com HIV sempre transmite o vírus pelo sexo.

Mito. O HIV não é transmitido quando a pessoa está se tratando e com o HIV controlado há pelo menos seis meses – ou seja, tomando as medicações diariamente e com o exame de controle chamado carga viral (que mede a quantidade de vírus no sangue) com resultado ‘indetectável’. Isso se chama “tratamento como prevenção”, e o lema utilizado para comunicar isso é “indetectável = intransmissível”. Não temos dados para dizer que o mesmo se aplica à amamentação e continua se recomendando que mulheres com HIV, mesmo estando indetectáveis, não amamentem.

  • Eu já tentei muito, mas não consigo transar com camisinha 100% das vezes e tenho risco de me infectar. Só me resta lamentar e esperar o dia em que vou adquirir o HIV.

Mito. Desde o começo de 2018, o SUS oferece uma saída para essas pessoas. A PrEP (profilaxia pré-exposição), que é um medicamento diário que protege a pessoa mesmo que ela entre em contato com o vírus. Para ter a PrEP, a pessoa precisa estar em acompanhamento médico a cada três meses, fazendo exames periódicos de controle.

  • A pessoa com HIV tem obrigação de contar para os parceiros que tem o vírus.

Mito. A pessoa com HIV tem direito à privacidade, já que revelar sua condição pode trazer consequências negativas em termos de discriminação e perda de emprego, por exemplo. Violar a privacidade da pessoa vivendo com HIV, contando para outros sua condição para prejudicá-la, é crime previsto em lei. É responsabilidade de cada um cuidar da sua prevenção, independentemente se o outro conta ou não que vive com HIV.

  • É fácil adquirir HIV pelo sexo oral.

Mito. A possibilidade de transmissão do HIV em sexo oral feito em uma pessoa vivendo com HIV varia entre insignificante a nenhuma, mesmo quando não se usa camisinha ou a pessoa com HIV está com a carga viral alta. Nunca se provou uma transmissão por sexo oral. De qualquer forma, recomenda-se evitar ejaculação na boca.

  • Trabalho de tatuagem e de manicure podem transmitir HIV.

Verdade. Devem ser utilizados sempre agulhas descartáveis, no caso de tatuagens e piercings, assim como nos serviços de saúde. Para serviços de manicure, é importante o uso de instrumentos próprios do cliente ou a correta esterilização do material do profissional. Além do HIV, as medidas previnem a transmissão da hepatite B (para a qual existe vacina em qualquer posto de saúde) e da hepatite C.

  • Pessoas com HIV podem ter filhos normalmente sem que estes tenham HIV.

Verdade. A mulher vivendo com HIV que se trata e está com a infecção controlada reduz drasticamente a chance de transmitir o vírus para o bebê na gravidez ou no parto. Se a pessoa que tem o HIV é só pai, existem dois métodos preventivos que permitem que a mulher engravide sem adquirir o HIV – o tratamento como prevenção para o pai, combinado ou não ao uso da PrEP (profilaxia pré-exposição) pela mãe. Fonte: Agência Aids.

(Mayara Freire e Natália Silva)