450 policiais militares participarão de operação verão

Além de Altamira, os municípios de Senador José Porfírio, Vitória Do Xingu e Porto de Moz, no sudoeste paraense, vão contar com reforço de agentes da polícia militar. “Essas áreas vamos deslocar reforço para fortalecer o policiamento local”, explica o major Fábio de Carvalho.

Em Altamira, os locais que vão receber a operação de verão da polícia militar são as praias, mas toda a cidade contará com reforço da pm, tudo para coibir a ação de criminosos, que nessa época do ano, costumar aumentar. “Também vamos reforçar na área comercial e manter a operação integrada com o Detran na área de trânsito”, relata o major.

A operação vai acontecer em todos os finais de semana de julho e se estende até o dia 6 de agosto. As fiscalizações fazem parte da ação secretaria de estado de Segurança Pública do Pará – Segup.

As rodovias estaduais também vão contar com a Polícia Rodoviária para conscientização e educação de motoristas que estiverem pegando a estrada. Serão 450 profissionais na operação.

Assista ao vídeo

Começou a movimentação no Terminal Rodoviário de Altamira

Com a passagem em mãos, Maria de Nazaré, aproveita o mês de julho para descansar e conhecer novos lugares. Ela é professora e escolheu santarém como roteiro das férias. “Nós vamos pra Santarém pela primeira vez, é meu sonho, quero conhecer a cidade, a praia’’, revela.

Outros vão matar a saudade de familiares. É o caso da estudante de medicina, Ingrid Dias. Ela vai enfrentar, em média, vinte horas de viagem até belém. Ela não vê a família há pelo menos quatro meses. “agora vamos voltar pra casa pra rever a família e os amigos, muita saudade”, disse a estudante.

Para alguns, a distância é menor. Wellisson santos, também vai curtir as férias, mas em marabá, sudeste do Pará.  “a maioria dos estudantes é de fora e aproveitamos as férias para ficar com a família”, explica o universitário.

Na rodoviária de Altamira os principais destinos são belém, santarém, no oeste do estado e marabá. Segundo uma empresa de transporte, o fluxo de passageiros aumentou com a chegada do verão.

Assista ao vídeo

Pai procura delegacia depois de cadela atacar criança no bairro Aparecida

A criança chegou na delegacia carregada pelo pai. O garoto ficou com o rosto ferido após o ataque de uma cadela que estaria solta na rua Acesso Dez, no bairro Aparecida. “Ele tava brincando na frente da casa da minha mãe, e essa vira-lata da vizinha fica solta, e ela foi pra cima dele. Fomos pra UPA e depois para delegacia para registrar”, explica o pai, Railton Silva de Freitas.

Segundo ele, esta não seria a primeira vez que o animal teria atacado alguém. “Outras duas crianças já foram mordidas por essa cachorra”, conta Railton.

De acordo com o código penal quando há algum tipo de lesão praticada por animais, o responsável pelo animal responde por lesão corporal culposa. O artigo 31 da lei das contravenções penais, prevê prisão simples de 10 dias a dois meses. Vale lembrar que lugar de cachorro não é na rua. Evite problema, para você e para os outros. O dono é o responsável pelo animal.

Moradores da área da lagoa querem prazo mais curto para realocação

Moradores da área da lagoa e representantes do Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB, estiveram em reunião com o Ministério Público Federal (MPF) para discutir prazos de retiradas das famílias. Segundo os moradores o prazo solicitado pela Norte Energia é muito longo e eles pedem que seja alterado para até o final do mês de agosto.

Francisco Chagas é um dos moradores do entorno da área alagada que não aceita o termo estipulado pela Norte. A empresa responsável pela Usina Hidrelétrica Belo Monte pediu um limite até dezembro para concluir a negociação e retirada das casas. “Que a Norte Energia se estendeu até dezembro, como é muito longo não aceitamos, queremos rever essa situação”, conta Francisco.

Das 496 casas cadastradas na região, 439 já foram negociadas. 323 já foram retiradas da área e no entorno 247 casas foram cadastradas e as famílias esperam para serem remanejadas.
Na reunião foi decidido que haverá uma reunião no dia 31 de julho entre o MPF, Norte Energia, Ibama e o MAB, para discutirem sobre os prazos e andamentos das retiradas. “Protocolamos o ofício dia 14 e entregamos o abaixo assinado feito pelos moradores pedindo diminuição do prazo. Essa reunião é para monitorar a retirada das famílias das palafitas”, explica o coordenador do MAB, Jackson Dias.

Uma nova vistoria foi realizada na tarde desta quarta-feira (4) na área do Independente I, o MPF contou com o apoio de técnicos da Polícia federal. O secretário de meio ambiente Wesley Storch também esteve no local para acompanhar os trabalhos.

Em nota, a Norte Energia informou que “durante a reunião com o Ministério Público Federal prestou os devidos esclarecimentos acerca do processo de relocação das famílias cadastradas na lagoa do Bairro Independente I, e que os tratamentos junto às famíliascontinuam em curso. Adicionalmente, a empresa reitera seu compromisso assumido no âmbito do Termo deCompromisso firmado com o Município de Altamira, com interveniência do IBAMA.”

Assista ao vídeo

Geração de empregos tem saldo positivo em maio

As pequenas empresas foram responsáveis por um saldo positivo na geração de emprego em todo Brasil, no mês de maio. No Pará, foram geradas quase duas mil novas vagas no mercado de trabalho. Os dados são satisfatórios para o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, o Sebrae. Foram pelo menos trinta e oito mil novas vagas no país.

No os 1.995 novos postos foram em setores como agropecuária e serviços. Mas, apesar do saldo positivo, se a comparação for feita no mesmo período do ano passado, houve uma queda. Isso porque em 2018, em maio, foram 2.361 empregos.

Em Altamira, anualmente, pelos menos dois mil empreendedores passam pelo Sebrae para orientação e formalização de novas micro e pequenas empresas.

De janeiro até maio deste ano o Pará respondeu pela criação de mais de seis mil novos empregos.

Olhos vermelhos e lacrimejantes podem ser sinais de conjuntivite

Olhos vermelhos, lacrimejantes, pálpebras “grudadas” e inchadas e sensação de estar com areia nos olhos. Estes são alguns dos sintomas da conjuntivite, doença muito comum nesta época do ano e que afasta muitas pessoas das tarefas diárias, como trabalho e estudo, por causar desconforto e ser altamente contagiosa.

De acordo com o médico oftalmologista, Cássio Moura, a conjuntivite é uma inflamação na membrana que reveste a parte branca dos olhos. O tipo mais comum de conjuntivite é a viral – embora existam outros tantos tipos frequentes, como conjuntivite bacteriana, alérgica e química. “Na conjuntivite viral o olho fica avermelhado, o entorno dos olhos pode inchar, e o lacrimejamento aumenta três ou quatro vezes, sendo que às vezes é purulento e de coloração amarelada, explica.

A conjuntivite é transmitida por meio das lágrimas. “Nelas está o agente infeccioso. Então a pessoa com a doença passa a mão no olho, encosta em algum lugar e, desse local, o agente infeccioso fica ‘esperando’ até que outras pessoas também encostem nesse local e levem a mão aos olhos, infectando-se”, ressalta.

Como o risco de contágio é alto, a recomendação médica é que a pessoa se afaste das atividades diárias e de outras pessoas. “O ideal é que ela também não compartilhe toalhas, lençóis, travesseiros e quaisquer outros objetos que possam transmitir a infecção, além de estar sempre com as mãos lavadas”, comenta o oftalmologista.

O tratamento, segundo o médico, depende do tipo de conjuntivite contraída. “Cada tipo da doença requer um determinado tratamento, por isso, é importante que a qualquer sinal de conjuntivite, um especialista seja consultado. Geralmente, a conjuntivite dura entre uma e duas semanas, não mais que isso”, afirma.

Caso queira evitar de contrair a doença, a orientação é reforçar a higiene lavando sempre as mãos, podendo usar álcool gel também . “Principalmente nos períodos de maior incidência, é importante que os cuidados sejam redobrados”, finaliza.

(Matheus Freire/Assessoria)

PRF apreende veículos irregulares em Altamira

Nesta quarta-feira (4) a Polícia Rodoviária Federal fez a apreensão de três veículos de empresas particulares. Uma das carretas estava com bois na abordagem e os policiais verificaram que o veículo estava com irregularidades, entre elas documentação atrasada.

Essa é a segunda vez que o veículo é apreendido pelos policiais da PRF. Cerca de 20 animais estavam dentro da gaiola que faz o transporte dos bovinos.

No mesmo dia outras duas carretas foram apreendidas após os policiais constatarem que houve uma fraude no agente redutor líquido automotivo, conhecido como Arla 32. Trata-se de um aditivo que minimiza os óxidos de nitrogênio emitidos pelos motores a diesel. O uso é obrigatório devido aos altos níveis de poluição atmosférica provocada pelo gás, que causa grave danos à saúde humana e ao meio ambiente nas grandes cidades.

Segundo o agente Léssio, a água, utilizada para burlar a obrigatoriedade do produto, danifica o motor e polui o ar. Os motoristas dos veículos permaneceram no local para prestar esclarecimentos. Os veículos foram destinados ao Ibama. Órgão responsável pela fiscalização de crime ambiental.

Assista ao vídeo

Dono de padaria doa pães para quem não pode comprar

Logo na entrada da padaria um aviso “para você que não possui recursos para comprar o seu pão de cada dia, pegue a sua doação aqui” uma pequena atitude que tem feito a diferença na vida daqueles que precisam e chama atenção de quem passa pelo local. Bernardo Torres é cliente do estabelecimento e disse que quando viu o anúncio, logo compartilhou e parabenizou o simples gesto.

A ideia foi colocada em prática há cerca de 20 dias, os pães são colocados todos os dias na bancada para aqueles que não podem pagar. E tem mais, porque além do pão, também tem um bolinho. Uma ação que para o proprietário se resume em apenas uma única palavra: gratidão.  “Gratidão por Deus dar saúde pra mim, pra minha família. Fui bem recebido nessa cidade, e das pessoas pediram doações surgiu a ideia”, conta o empresário Lindomar Ferreira.

Lindomar veio para a cidade com a família no ano passado e aqui decidiu instalar o seu negócio. Mesmo não sendo altamirense, o empresário nos mostra que a pequena atitude serve de exemplo e se encaixa na tão conhecida frase “fazer o bem sem olhar a quem”.

Assista ao vídeo

Casas apresentam problemas na estrutura no Ruc São Joaquim

Assim como outros moradores do Reassentamento Coletivo Urbano São Joaquim, seu Manoel Jorge dos Santos foi indenizado com uma casa pela empresa Norte energia. Porém, em menos de cinco anos que mora na residência, ele identificou problemas na estrutura do imóvel. Uma lajota que estava saindo fez com que ele tropeçasse e caísse na cozinha. Com 78 anos a queda o deixou debilitado. “Eu fiquei muito ruim, meu joelho está todo inchado” explica o morador.

O banheiro da mesma residência foi preparado para o idoso, porém o que era para evitar acidentes agora está oferecendo riscos graves. A barra de apoio que ele usa para se segurar durante o banho está solta. A neta, Valéria Silva, afirma que está com medo do que pode acontecer com ele. “Várias vezes ele tropeça, estou vendo acontecer o pior. Ontem mesmo liguei pra Norte eles falaram que viriam e não vieram. Fico preocupada com meu avô ele vive só aqui. Moramos no fundo mas mesmo assim ficamos preocupados”.

Familiares já entraram em contato com a empresa responsável pelas casas dos reassentamentos, mas afirmaram que eles foram até o local, porém, não resolveram até o momento. Ao lado da casa do seu Manoel mora a filha, Maria Ivonete dos Santos. Ela é surda e também passa pelos mesmos problemas.

Ao ver nossa equipe registrando os problemas nas casas, outro morador nos procurou para afirmar que também já se machucou devido as lajotas estarem soltando. “Já levei queda, já machuquei, cai no banheiro”, conta o aposentado Jorge Golveia.

As casas foram entregues no final do ano de 2014. Os moradores afirmam que os problemas estruturais surgiram há dois anos. Esta não é a primeira vez que registramos esse tipo de reclamação. No ano passado nos meses de fevereiro e de julho, as casas já apresentavam rachaduras e a empresa responsável havia marcado uma reunião para ouvir as reclamações.

Em nota, a Norte Energia informa que, os consertos estão programados e que para informações desta natureza, está à disposição da população por meio da Central de Atendimento Belo Monte Aqui (ligação gratuita para 0800 091 2810), disponível 24 horas durante os sete dias da semana.

(Athaynara Farias)

Idade mínima para aposentadoria de policiais permanece em 55 anos

As regras para as aposentadorias dos policiais que atuam na esfera federal serão mantidas. As categorias, que incluem policiais federais e legislativos, se aposentarão aos 55 anos de idade, com 30 anos de contribuição e 25 anos de exercício efetivo na carreira, independentemente de distinção de sexo.

A manutenção das condições consta do novo voto do relator da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP). Antes do início da sessão, que começou com sete horas de atraso, líderes partidárias haviam anunciado um acordo para reduzir para 52 anos para mulheres e 53 anos para homens, a idade mínima de aposentadoria para os policiais em nível federal.

Mais cedo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que a suavização das condições de aposentadorias para policiais que servem à União criaria um efeito cascata que desidrataria a reforma da Previdência. A declaração ocorreu depois que Maia se reuniu com Moreira e o presidente da comissão especial, deputado Marcelo Ramos (PL-AM).

No início da noite, o porta-voz do Palácio do Planalto, Otávio Rêgo Barros, disse que o governo analisa, juntamente com o Congresso, adotar condições diferenciadas de aposentadoria para policiais federais e legislativos, que poderiam ser incluídas no relatório da reforma.

Estados
No voto lido há pouco, Moreira recuou da permissão para que estados e municípios aumentem a contribuição dos servidores públicos locais para cobrir os rombos nos regimes próprios de Previdência. A possibilidade constava do relatório apresentado ontem (2) pelo relator.

Com a desistência, os estados e os municípios voltam a ficar integralmente fora da reforma da Previdência. Caberá às Assembleias Legislativas estaduais e às Câmaras Municipais aprovar a validade da reforma para os governos locais, assim como o aumento das alíquotas dos servidores sob sua alçada.