Caseiro é agredido durante assalto em fazenda

No rosto da vítima os sinais da violência sofrida no início da tarde da última quarta-feira (24), em uma fazenda no ramal monte santo, área rural de Altamira.

O crime ocorreu por volta de 13h. A vítima recebeu uma pancada enquanto entrava na residência onde trabalha como caseiro. Por ter perdido a consciência, ele não conseguiu ver os criminosos, que levaram um botijão de gás e dinheiro. O valor não foi divulgado. Ele disse também que não era apenas uma pessoas, porque conseguiu ouvir pessoas conversando.

O proprietário da fazenda soube horas depois do ocorrido e de imediato foi até a delegacia para registrar um boletim de ocorrência. Segundo ele, crimes como furto e roubo são comuns na área e disse ainda, que várias residências já foram invadidas por criminosos na região.

Na última sessão da câmara de vereadores, uma das parlamentares chegou a propor maior fiscalização na zona rural.

Cerimônia da polícia militar celebra dia de Tiradentes em Altamira

Cerca de trezentos policiais militares participaram na noite desta quarta-feira o dia de Tiradentes. Celebrado no dia 21 de abril, Joaquim José da Silva Xavier, foi escolhido como patrono das polícias do Brasil por ter lutado pela independência do país. A cerimônia aconteceu no centro de eventos de Altamira.

Somente no comando regional da polícia militar 462 policiais se dividem nas cidades de Uruará, Medicilândia, Brasil Novo, Altamira, Vitória Do Xingu, Porto De Moz, Senador José Porfírio e Anapu. No evento o dia foi comemorado com condecorações com medalhas e promoções de oficiais e praças. O tenente Marçal trabalha na polícia há 25 anos, ele recebeu na noite duas medalhas pelos serviços oferecidos e outra pelos 200 anos da polícia.

O prefeito domingos juvenil também esteve presente no evento e ganhou uma comenda de “Amigo Da PM”. Ao final, os policiais cantaram o hino da polícia militar do Pará. O sargento Patriota, que serve a polícia há 21 anos, foi promovido na cerimônia.

Participantes de duplo homicídio já respondiam por outros crimes

Geovane Souza Silva, de 19 anos, já havia sido preso por roubo. Ele foi solto no dia 6 de março deste ano. Após cumprir mais de um ano de prisão, no Centro De Recuperação de Altamira. Foram exatos 47 dias, até ele cometer este violento crime, matar mãe e filha. O motivo seria porque Fernanda o causou de ter roubado a casa da família.

Após sair da prisão, Geovane foi morar na casa de sua mãe, no ramal do Cupiúba, na zona rural de Altamira. Lá, reencontrou o amigo Dário Santos de Lima, de 21 anos. Na ficha criminal, Dario responde por roubo tentado em 2016.

Após Geovane confessar que matou Fernanda moura de 28 anos, e Maria Isabele de 5, ele levou a polícia até o local onde havia enterrado mãe e filha, no ramal do Cipó Ambé. O amigo, e vizinho, Dário nega participação na morte das duas.

Dario ficou preso e vai responder por ocultação de cadáver e latrocínio, visto que a motocicleta da vítima foi encontrada escondida na casa dele.

Dor e revolta durante o velório de mãe e filha, em Altamira

Fernanda e Maria Isabele eram bastante conhecidas. O velório aconteceu no salão paroquial da igreja Imaculada Conceição, mãe e filha eram devotas de nossa senhora. Amigos e familiares fizeram questão de prestar solidariedade a Rafael Oliveira. A todo momento ele ficou ao lado do caixão da filha e da esposa.

Dor também para a mãe e avó das vítimas que era consolada por amigos e outros parentes. Faltavam palavras e sobrava revolta. Adriano Sales era cunhado de Fernanda e conta que a decisão de morar na área rural foi tomada para que a filha tivesse um ambiente mais seguro. Era ainda na chácara, que ela costumava se reunir com os familiares.

Durante o velório, muitas homenagens foram prestadas às vítimas. O choro era inevitável. Muita gente que não conhecia a família, mas se comoveu pela crueldade do duplo assassinato.

O cortejo saiu da igreja e percorreu algumas ruas da cidade até o cemitério são Sebastião, que fica localizado no km 4. Durante o percurso muita comoção e tristeza, o cortejo parou em frente ao fórum de Altamira, na avenida Brigadeiro Eduardo Gomes, para pedir justiça.

Acusado de matar mãe e filha é morto dentro do presídio

Momentos após a transferência dos principais acusados pela morte de mãe e filha, em um ramal na zona rural da cidade, para o Centro de Recuperação de Altamira (CRA), um deles foi assassinado. Geovane Souza foi morto dentro da cela em que ele e Dário dos Santos foram colocados. Dário também saiu do CRA ferido. Bombeiros e o Grupo Tático Operacional (CTO) acompanham a situação.

As primeiras informações são de que os detentos falaram que se o Dário fosse inocente ele teria de matar Geovane. Ele então teria matado o colega enforcado. Quando eles chegaram ao local houve manifestações em todas as celas e os presos ameaçaram matar os dois.

Dário foi levado para atendimento médico, ele não corre risco de morte, sofreu perfurações mas já está sendo atendido, ele chegou conversando e andando.

Em nota a Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe) informou a morte do interno Geovane Silva de Souza, na tarde desta quinta-feira (25), no Centro de Recuperação Regional de Altamira (CRRALT). A vítima foi encontrada com indícios de asfixia mecânica.

De acordo com a Diretoria de Administração Penitenciária da Susipe, a vítima estava em uma cela de segurança com outros internos e foi encontrado morto .

A Susipe já tomou todas as providências legais. O Instituto Médico Legal removeu o corpo e a Polícia Civil instaurou um inquérito para apurar o caso.

Dário foi socorrido pelos Bombeiros

Altamirense leva bolada em lotofácil

Um apostador de Altamira ganhou mais de R$ 1 milhão na Lotofácil nessa quarta-feira (24). Ele acertou as 15 dezenas, e venceu o concurso 1805 e faturou a ‘bolada’ de R$ 1.043.460,67.

Os números sorteados foram: 01,02,04,05,06,09,10,14,15,16,18,20,22,23,24.

Além do sortudo de Altamira, outra pessoa de Paracatu, Minas Gerais, levou a bolada.

Além desses,outros ganhadores levarão prêmios menores. Confira:

15 acertos
2 apostas ganhadoras, R$ 1.043.460,67

14 acertos
480 apostas ganhadoras, R$ 1.337,77

13 acertos
15174 apostas ganhadoras, R$ 20,00

12 acertos
181411 apostas ganhadoras, R$ 8,00

11 acertos
942037 apostas ganhadoras, R$ 4,00

Polícia procura por terceiro envolvido na morte de mãe e filha

A polícia civil busca um terceiro homem que estaria envolvido na morte de Fernanda Moura, de 28 anos, e Isabele, de 5 anos. Na quarta-feira (24), Geovane de Sousa e Dário Santos, foram presos suspeitos de matar mãe e filha. Elas desapareceram na terça e mais de 30h depois os corpos foram encontrados, em uma área de mata, cerca de 8 km de onde moravam,

O marido da vítima contou à polícia que dias atrás teve um desentendimento com o vizinho, Geovane de Sousa. Na casa de Dário Santos, amigo do suspeito, que fica na mesma localidade, em um local de difícil acesso no ramal do Cipó Ambé, a polícia encontrou a motocicleta.

Os policiais levaram então os suspeitos Geovane e Dario até a residência onde a motocicleta foi encontrada, lá, foram questionados sobre o paradeiro de Fernanda e Isabelle. Geovane que confessou o crime, mostrou o local onde havia enterrado os corpos.

Entenda o caso

Foi o marido de Fernanda quem notou o sumiço das duas, a última visualização dela em um aplicativo de mensagens teria sido às 08h15. Ao chegar em casa no ramal da floresta, na zona rural da cidade, Rafael, deu falta de Fernanda Moura, de 28 anos, e Isabelle de 5 anos, juntamente com a motocicleta dela. Então, ele foi até a delegacia de polícia civil de Altamira e fez um boletim de ocorrências. A polícia então começou a investigação.

MAB

Em nota, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) se solidarizou com os familiares e amigos da Fernanda Moura de Oliveira e Maria Isabel de Oliveira, que foram brutalmente assassinadas após terem desaparecido no dia 23 de abril de 2019.

O MAB parabenizou o trabalho rápido da policia militar e civil que já apreenderam 2 suspeitos pelo assassinato, mesmo assim, cobramos que TODOS os envolvidos sejam presos, julgados e condenados a uma pena rígida.

Secretaria de saúde faz alerta sobre síndrome mão-pé-boca

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) alerta as secretarias municipais de saúde, os profissionais de saúde e a população em geral sobre o registro de casos da síndrome mão-pé-boca no Pará.

A síndrome é causada pelo vírus Coxsackie da família dos enterovírus, a mesma da varicela, o que tem levado alguns pais e profissionais de saúde a acharem que estão diante de um caso de catapora. Por isso é fundamental fazer o diagnóstico diferencial com as doenças que causam sinais e sintomas semelhantes.

Apesar de a síndrome mão-pé-boca não ser uma doença de notificação compulsória, a equipe do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) da Sespa solicita às secretarias municipais de saúde que verifiquem e informem a existência de surtos da doença, caso grave ou hospitalizado.

Os principais sinais e sintomas da doença são: febre alta, surgimento de manchas vermelhas com vesículas branco-acinzentadas na boca, amídalas e faringe, que podem evoluir para ulcerações muito dolorosas; erupção de pequenas bolhas em geral nas palmas das mãos e nas plantas dos pés, mas que podem ocorrer também nas nádegas e na região genital; mal-estar, falta de apetite, vômitos e diarreia. Por causa da dor, há dificuldade para engolir e muita salivação.

Segundo a enfermeira epidemiologista e coordenadora do Cievs, Daniele Nunes, o vírus Coxsackie habita normalmente o sistema digestivo e também pode provocar estomatites (aftas na mucosa da boca). “O nome da doença se deve ao fato de que as lesões aparecem mais comumente em mãos, pés e boca. Embora possa acometer também os adultos, ela é mais comum na infância, antes dos cinco anos de idade”, informou Daniele.

Ela disse, ainda, que nem sempre a infecção pelo vírus Coxsackie provoca todos os sintomas clássicos da síndrome. “Há casos em que surgem lesões parecidas com aftas na boca ou as erupções cutâneas; em outros, a febre e a dor de garganta são os sintomas predominantes”, observou a epidemiologista.

A transmissão ocorre pela via oral/fecal, por meio do contato direto entre as pessoas ou com as fezes, saliva e outras secreções, ou então por meio de alimentos e de objetos contaminados. “Mesmo depois de recuperada, a pessoa pode transmitir o vírus pelas fezes durante aproximadamente quatro semanas. O período de incubação oscila entre um e sete dias. Na maioria dos casos, os sintomas são leves e podem ser confundidos com os do resfriado comum”, explicou Daniele. “O período chuvoso também contribui para a sua propagação porque as pessoas ficam mais aglomeradas em locais fechados”, acrescentou.

Não existe vacina contra a mão-pé-boca e, em geral, como ocorre com outras infecções por vírus, a doença regride espontaneamente depois de alguns dias. Por isso, na maior parte dos casos, tratam-se apenas os sintomas. “Medicamentos antivirais ficam reservados para os casos mais graves. O ideal é que o paciente permaneça em repouso, tome bastante líquido e alimente-se bem, apesar da dor de garganta”, orientou a epidemiologista.

No que tange aos cuidados com o doente, deve ingerir alimentos pastosos, como purês e mingaus, assim como gelatina e sorvete, por serem mais fáceis de engolir; também é importante consumir bebidas geladas, como sucos naturais, chás e água, que são indispensáveis para manter a boa hidratação do organismo. Os familiares devem lavar as mãos antes e depois de lidar com a criança doente, ou levá-la ao banheiro.

Em relação às medidas preventivas para evitar a propagação da doença, deve-se evitar o contato muito próximo com o paciente; cobrir a boca e o nariz ao espirrar ou tossir; manter um nível adequado de higienização da casa, das creches e das escolas; não compartilhar mamadeiras, talheres ou copos; afastar as pessoas doentes da escola ou do trabalho até o desaparecimento dos sintomas (geralmente 5 a 7 dias); lavar com água e sabão as superfícies, objetos e brinquedos que possam entrar em contato com secreções e fezes dos indivíduos doentes e, logo depois, desinfetar com solução de água sanitária diluída em água pura (uma colher de sopa de água sanitária diluída em quatro copos de água limpa); e descartar adequadamente as fraldas e os lenços de limpeza em latas de lixo fechadas.

(Ascom/Sespa)

5,5 mil mosquiteiros são distribuídos para reforçar combate à malária no Xingu

Com o objetivo de fortalecer o combate à malária na região do Xingu, a Norte Energia entregou 5.500 Mosquiteiros com Inseticida de Longa Duração (MILD) para o 10º Centro Regional de Saúde, vinculado à Secretaria de Saúde do Estado do Pará (Sespa). A distribuição destas redes de proteção integra as ações do Programa de Ação para Controle da Malária (PACM), coordenado pela Sespa, desenvolvido pela Norte Energia em parceria com o governo do Estado do Pará e municípios da região.

O programa já garantiu a redução histórica da doença em até 99% na região que compreende as cinco cidades na área de influência da Usina: Altamira, Anapu, Brasil Novo, Senador José Porfírio e Vitória do Xingu. Dos mais de cinco mil mosquiteiros, mil já foram distribuídos para moradores do município de Pacajá, 250 em Senador José Porfírio e 600 para o Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI), sediado em Altamira.

No início de abril, a secretária de Saúde de Senador José Porfirio, Edla Cristina Costa, coordenou a entrega de 40 mosquiteiros na comunidade da Ressaca e outros 30 na Ilha da Fazenda, na Volta Grande do Xingu. “Os mosquiteiros são fundamentais na prevenção da doença. Eles evitam que a população fique exposta ao mosquito, pois já vêm com o repelente. As comunidades ficaram muito felizes ao receber os itens em toda a zona rural, priorizada por apresentaram os principais focos do mosquito”, contou a gestora sobre impactos positivos do PACM para a população tradicional ribeirinha do Xingu.

A gestão municipal se organiza agora para entregar as 150 unidades restantes em ação a ser realizada nas vilas Itatá, Mocotó e Acesso 6, também na Volta Grande. Atuação O PACM faz parte do Projeto Básico Ambiental (PBA) da UHE Belo Monte, administrada pela Norte Energia. Até o momento, já foram investidos R$ 36 milhões nestas ações, e cerca de R$ 18 milhões estão previstos para serem investidos até 2021.

As medidas adotadas compreendem desde a contratação de profissionais especializados e capacitação de agentes locais, até a doação de caminhonetes, motocicletas e voadeiras para possibilitar a locomoção das equipes das secretarias de saúde envolvidas. “A meta do programa é prover diagnóstico imediato e tratamento rápido. Por isso, para áreas de difícil acesso, em cada um dos municípios, foram criados núcleos de vigilância em saúde, com agentes de endemias à disposição para fazer o teste rápido e administrar o remédio ao paciente, bem como realizar a entrega dos mosquiteiros, uma ação preventiva que tem apresentado resultados excelentes”, explica a coordenadora de Saúde Pública da Norte Energia, Gecilda Aparecida de Lima.

(Assessoria Norte Energia)