Fake News: resolução determina fim de aulas teóricas de direção

Uma mensagem que tem se espalhado pelo WhatsApp diz que o governo acaba de assinar uma resolução que determina o fim da obrigatoriedade de aulas teóricas de direção e que permite que o cidadão procure diretamente um instrutor de trânsito pra fazer as aulas práticas, dispensando a matrícula em autoescolas. O texto afirma ainda que o prazo da CNH será ampliado para 20 anos. A mensagem é FALSA.

O texto fala em uma resolução de número 142, de 2019. Ela simplesmente não existe. A mensagem também se utiliza do logo do G1, mas nenhum texto com esse conteúdo foi publicado no portal. O link que aparece em parte das mensagens leva para a página principal do G1. Em outras mensagens, há um link que diz se tratar de uma pegadinha.

A mensagem falsa se aproveita de um anúncio recente feito pelo governo, que pretende aumentar para 40 pontos o limite para suspensão da CNH e acelerar a suspensão em casos de infrações graves e gravíssimas, como dirigir depois de beber.

No projeto, o governo vai, de fato, propor a alteração do prazo de validade para renovação da CNH, mas não para 20 anos. Atualmente, o prazo de validade da carteira é de 5 anos. A proposta é aumentar para 10 anos até que o motorista complete 50 anos de idade. Após esse período, a renovação volta a ser feita de 5 em 5 anos.

Para que as mudanças entrem em vigor, porém, o projeto ainda precisará ser enviado, apreciado e aprovado no Congresso.

O Ministério da Infraestrutura reforça que a mensagem é “totalmente falsa”. “O Denatran enviará ao Palácio do Planalto, até o fim da semana, uma proposta de projeto de lei que prevê duas alterações no Código Brasileiro de Trânsito (CTB): o aumento do tempo de renovação da carteira de habilitação e o aumento da quantidade de pontos para perda da habilitação pelo condutor. Em relação ao tempo do exame de aptidão física e mental para renovação da carteira de motorista, a proposta é ampliar de cinco para dez anos, até os 50 anos de idade do condutor, com exceção dos casos específicos em que houver indícios de deficiência física, mental ou de progressividade de doença que possa diminuir a capacidade para condução do veículo – o que já é previsto atualmente no CTB. A proposta é fundamentada no aumento da expectativa de vida do brasileiro.”

“Já em relação ao aumento da pontuação na carteira do condutor, a lei, hoje, prevê a suspensão do direito de dirigir em duas situações: por pontuação, quando infrator atinge a contagem de 20 pontos no período de 12 meses, ou por infração gravíssima, como, por exemplo, dirigir sob a influência de álcool ou drogas, não usar o cinto de segurança ou exceder a velocidade acima de 50% do permitido. No caso da suspensão por pontuação, a proposta do Denatran é aumentar de 20 para 40 pontos. Já em casos por infração, a proposta prevê maior celeridade aos processos administrativos referentes às infrações graves e gravíssimas que tramitam nos Detrans. Hoje, o processo chega a passar por seis instâncias. Com a proposta, ela cairá para três instâncias”, afirma o órgão.

“Além do aprimoramento da gestão e redução do número de processos administrativos tramitando nos Detrans, a proposta endurece as penalidades referentes às condutas mais perigosas, atuando com mais rigor nos casos em que há risco de segurança no trânsito”, diz o ministério, em nota.

Veja o que diz a mensagem falsa:

“Tarcísio Gomes o atual ministro da infraestrutura, acaba de assinar a resolução 142/2019.

Esta resolução determina o prazo da CNH pra 20 anos, o fim de obrigatoriedade de aulas teóricas, o fim do simulador de direção e ainda permite o cidadão procurar diretamente um instrutor de trânsito pra fazer as aulas práticas, dispensando a matrícula em auto escola.”

(G1)

Rio Uruará transborda e condutores enfrentam rodovia alagada

O trecho que liga Medicilândia a Uruará está totalmente alagado. Alguns motoristas chegam a se arriscar e passar pela área que foi atingida pela cheia do rio uruará. Quem usa a transamazônica como rota precisa ficar atento, já que previsão, para os próximos dias, é de mais chuvas para a região, segundo o Instituto de Meteorologia do Pará.

Após fortes chuvas famílias ficam desabrigadas em Uruará

No começo da semana cerca de 8 famílias ficaram desabrigadas no município depois que um bueiro e um igarapé transbordaram. Os moradores atingidos perderam móveis e precisaram ser levados a abrigos no centro de Uruará. Dois bairros estão em situação crítica, um deles, é o pimentolândia. A prefeitura informou que continua em alerta.

4.228 indígenas devem ser vacinados contra gripe

A meta é imunizar 4.228 indígenas de todas as aldeias da região. Este mês de vacinação é uma estratégia da organização Pan-Americana de Saúde em parceria com o ministério da saúde, tendo como objetivo principal o fortalecimento das ações de imunização e da vigilância epidemiológica, com aumento da cobertura vacinal em áreas de difícil acesso. “Na população indígena tem todas as classes, por isso a necessidade desses povos serem vacinados assim, na totalidade”, explicou João Caramuru, coordenador do Dsei.

A influenza é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito. A ação abrange indígenas residentes em 6 municípios: Altamira, Vitória Do Xingu, Senador José Porfirio, São Félix Do Xingu, Anapu E Porto De Moz.

A abertura da campanha aconteceu na casa do índio em Altamira. Palestras sobre a importância da vacinação foram apresentadas para o público presente. Além da vacina contra a gripe outras foram distribuídas. O representante do povo Xikrin reconhece a importância da imunização. “O nosso povo tem a baixa imunidade então a importância da gente cumprir o calendário vacinal certinho”, explicou Beppry Xikrin.

A campanha vai até o dia 31 de maio. No próximo dia 04 será o ‘Dia D’. Quando a equipe de médicos e técnicos vai até as aldeias distantes para atender todos os indígenas. “esperamos alcançar além dessa meta porque não estamos indo apenas com essa vacina”, declarou a médica Maryane Saraiva.

Acidente entre moto e caminhão deixa uma pessoa ferida no Mutirão

Um homem foi identificado apenas como Damião sofreu um acidente na manhã desta quinta-feira (11). Com escoriações em uma das pernas e foi atendido por bombeiros e levado para a Unidade De Pronto Atendimento, Upa.

O acidente envolveu uma motocicleta e um caminhão coletor de lixo, na avenida Bom Jesus, próximo à avenida Transamazônica, via principal do bairro mutirão. O condutor do caminhão permaneceu no local para prestar socorro à vítima.

Segundo testemunhas o caminhão de lixo entrava na avenida Bom Jesus e o motociclista vinha do bairro mutirão sentido centro, quando a colisão aconteceu. O Demutran esteve no local fazendo o levantamento de como teria ocorrido o acidente.

No trecho o fluxo de veículos é intenso, e os condutores precisam ficar atentos.

Família de estudante denuncia falta de apoio escolar a jovem surdo

Iago William Fonseca da Silva tem 16 anos e está no último ano do ensino médio. O adolescente que é surdo tem enfrentado dificuldades para continuar os estudos. Segundo a família do estudante, a escola Odila de Souza, no reassentamento urbano Jatobá, está sem interprete de libras desde o ano passado.

Segundo a tia de Iago, Maria Francineide Almeida, o estudante está desmotivado, pois se sente excluído das atividades por não ter um profissional que o acompanhe na comunicação e no aprendizado. Segunda Maria, ele tem passado boa parte do tempo em casa, nem visitas de amigos ele quer receber. Os familiares dizem que ele está deprimido por não poder continuar estudando.

A nossa equipe procurou a direção da escola e fomos informados que eles já encaminharam um ofício para a secretária de educação do estado, mas ainda não tiveram uma resposta.

Procuramos também o diretor da 10ª Unidade Regional De Educação (URE) para saber o motivo de não ter um interprete para atender estudantes como o Iago, mas fomos informados de que o diretor está em licença médica.

Inscrições para oficina da escola municipal de dança estão abertas

Os preparativos para o projeto “movimento em dança” da escola de dança municipal já começaram. O espetáculo está marcado para acontecer nos dias 26 e 27 deste mês. E, seguindo o compasso, na próxima sexta-feira a escola abre inscrições para uma oficina ofertada a bailarinos e amantes da dança da comunidade.

Serão três dias de ensaios até a data marcada para o espetáculo. Iniciam no dia 22 e seguem até o dia 25 deste mês.

As apresentações serão realizadas no centro de eventos de Altamira. O espetáculo será aberto a toda população. A escola levará ao palco mais de 600 alunos que se preparam desde o início do ano. Este já é a sexta edição do projeto que tem como objetivo incentivar a arte através da dança.

Associação dos moradores do RUC Água Azul tem nova diretoria

O evento da posse da nova diretoria do reassentamento urbano coletivo Água Azul ocorreu na quadra poliesportiva do bairro. Moradores e componentes da chapa estiveram presentes na solenidade.

O presidente da câmara municipal de Altamira, vereador loredan melo, também esteve presente e fez questão de participar da cerimônia.

Para  Daniel Maia, novo presidente que estará à frente da associação pelos próximos 4 anos, é tempo de mudança. Para a vice presidente, Ivani Dias, o cenário era de insatisfação com a antiga diretoria. Na última eleição, a diferença foi de mais de 300 votos. Ivani traz um olhar para as mulheres do bairro. A ideia é realizar medidas de capacitação para atender as donas de casa e proporcionar a elas uma fonte de renda.

Estilo de vida responde por 63 mil mortes de câncer por ano no Brasil

Um terço das mortes causadas por 20 tipos de câncer no Brasil poderia ser evitado com mudanças no estilo vida. Tabagismo, consumo de álcool, excesso de peso, alimentação não saudável e falta de atividade física são fatores de risco associados a 114 mil casos da doença (27% do total) e 63 mil mortes (34% do total) por ano no Brasil.

Os dados, publicados na revista Cancer Epidemiology, fazem parte de um estudo realizado por pesquisadores do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e da Harvard University, nos Estados Unidos, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

O levantamento aponta, por exemplo, que a incidência de câncer de pulmão, de laringe, de orofaringe, de esôfago, de colón e de reto poderia ser reduzida pela metade caso esses cinco fatores de risco fossem eliminados. Leandro Rezende, pesquisador da FMUSP e um dos autores do estudo, destaca que não se conhece outra forma de prevenir tantos casos.

“O que nos surpreende é a magnitude de casos e mortes que a gente conseguiria evitar a partir da redução desses fatores de risco. Esse número deve chamar atenção para políticas públicas de redução do risco de câncer no Brasil”, disse à Agência Brasil.

Estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) indica que, em 2025, os casos de câncer cresçam em até 50% no Brasil em decorrência do aumento e do envelhecimento da população. Atualmente, a doença é a segunda causa de morte no país.

O levantamento da FMUSP, contudo, aponta que, além das mudanças na estrutura populacional, o aumento da prevalência desses cinco fatores de risco no estilo de vida do brasileiro pode representar novos desafios para o controle do câncer na população.

Os pesquisadores traçaram estimativas de redução da doença caso esses fatores sejam reduzidos.

“Trabalhamos com algumas metas ou recomendações que são mais plausíveis de serem atingidas em nível populacional e que estão presentes em alguns documentos e recomendações por agências internacionais”, explicou Rezende.

Foi considerado o seguinte cenário: o consumo de álcool com uma redução relativa de 10%, uma diminuição de 1 kg/m2 no índice de massa corporal na média da população, uma dieta de cálcio de 200 mg a 399 mg por dia e a redução de 30% na prevalência do consumo de tabaco.

Essas alterações, do ponto de vista populacional, poderiam evitar 19.731 casos de câncer (4,5% dos casos) e 11.480 mortes (6,1%).

Políticas públicas

Rezende destaca que essas estimativas contribuem para formulação de políticas públicas na área de saúde pública. Ele cita como exemplo o combate ao tabagismo no Brasil que conseguiu reduzir para menos da metade a proporção de fumantes em relação a década de 1990.

“Hoje, aproximadamente 10% da população brasileira fumam [antes, eram mais de 30%]. Quando o Brasil adotou um pacote de medidas, leis e regulamentação do tabaco no Brasil, como a tributação do cigarro, a proibição do consumo em local fechado, a gente teve um impacto bastante positivo na saúde da população”, disse.

O pesquisador aponta que o tabagismo é responsável por 67 mil casos de câncer por ano no Brasil, o equivalente a 15,5% dos casos e 40 mil mortes.

“Tem um debate bastante atual de que se deveria reduzir o imposto dos produtos derivados do tabaco para diminuir o consumo de cigarro contrabandeado. É importante trazer a magnitude do estrago que o cigarro faz na saúde da população quando se estimula o consumo. Hoje, o Brasil é um case de sucesso e a gente, primeiramente, precisa manter isso”, defendeu.

Um grupo de trabalho foi instituído em março deste ano pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública para avaliar “a conveniência e oportunidade” da redução da tributação de cigarros fabricados no Brasil.

Para Rezende, o combate ao tabagismo poderia servir de exemplo para a elaboração de outras políticas no campo da alimentação.

“Rotulagem, restrições de marketing e aumento de impostos de produtos da indústria de alimentos para desestimular o consumo são propostas possíveis de serem implementadas pegando emprestado o case de sucesso do tabaco para tentar reduzir o excesso de peso e obesidade da população no Brasil”, sugeriu.

Ele lembra que o Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde, recomenda que sejam consumidos principalmente produtos in natura e que se evitem alimentos processados, especialmente ultraprocessados.

Metodologia

A pesquisa partiu do consenso na literatura científica de que cinco fatores de risco – tabagismo, consumo de álcool, excesso de peso, alimentação não saudável e falta de atividade física – estão associados a 20 tipos de câncer.

O que o novo estudo fez foi calcular a fração atribuível populacional (FAP) da doença relacionado a dados populacionais sobre o índice de massa corporal (IMC) elevado, consumo de cigarro, álcool, prática de atividade física e informações sobre a alimentação.

De acordo com os pesquisadores, a FAP é uma métrica que estima a proporção da doença possível de prevenir na população caso os cinco fatores de risco fossem eliminados, mantendo as demais fatores/causas estáveis.

Os dados sobre a distribuição dos fatores de risco do estilo de vida foram calculados a partir da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2013, para estimar consumo de álcool, índice de massa corporal (IMC), consumo de frutas e hortaliças, atividade física, tabagismo e fumo passivo entre não fumantes no Brasil.

Foi utilizada também a Pesquisa Nacional de Orçamentos Familiares (POF), realizada entre 2008 e 2009 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), para obter o consumo alimentar de fibras, cálcio, carne vermelha e processada.

(Agência Brasil)

STF valida lei que permite emissão de documentos em cartórios

O Supremo Tribunal Federal (STF) julgou constitucional hoje (10) a lei que permitiu aos cartórios de registro civil a oferta de serviços remunerados como emissão de documentos de identificação e de veículos. Em geral, esse tipo de serviço é prestado em cartórios em cidades pequenas.

Pela decisão, os cartórios precisam de autorização do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e dos tribunais de Justiça dos estados para oferecer novos serviços. A atividade primária dos cartórios de registro civil é a emissão de certidões de nascimento, de casamento e de óbito.

A questão chegou ao Supremo por meio de uma ação do PRB, protocolada em 2017. No mesmo ano, uma medida provisória alterou a Lei de Registros Públicos para garantir que os cartórios do registro civil das pessoas naturais são considerados ofícios da cidadania e podem prestar serviços remunerados, por meio de convênios com órgãos públicos.

O partido sustentou que a norma deveria partir da iniciativa do Poder Judiciário.

(Agência Brasil)

Autônomo paraense canta e compõe para vender sua mercadoria

O seu José Ribamar Sousa é autônomo e atualmente está vendendo lanches para garantir o pão, mas na hora de oferecer o seu produto, ele tem um diferencial, ele canta e faz rimas sobre a própria vida e o cotidiano. Natural de Belém, ele veio muito novo para a região da transamazônica.

josé ribamar morou na zona rural de altamira, no vilarejo da vila da ressaca e nas cidades vizinhas Medicilândia e Uruará. Já foi garimpeiro e em Altamira virou autônomo, lugar onde conheceu também, seu grande amor, Audilene Silva.

A dona de casa vive há 10 anos com José e é a fonte de inspiração das composições do marido.  Para ele cantar é uma forma de terapia, para não desanimar e ainda oferecer o diferencial na hora de vender um produto. José conta que sonha um dia em viver exclusivamente da música, mas até lá segue encantando os clientes.