PRF apreende madeira irregular na transamazônica

Durante as fiscalizações da Polícia Rodoviária Federal, três caminhões foram pegos com madeira irregular. No dia 26 de março, a PRF apreendeu 20,28 m³. O condutor do veículo não possuía a documentação necessária para o transporte da madeira. O destino final seria Quixadá, no Ceará. No último domingo 29,96m³ também foram apreendidos. A carga saiu de Novo Progresso e iria até lajeado, no Rio Grande do Sul. E na noite desta segunda-feira (1), foram apreendidos 32,06 m³. Nos três casos a madeira foi apreendida no trecho da br-230. E encaminhada para a delegacia da PRF.

Segundo o inspetor Jailson Silva, a apreensão da madeira acontece quando há uma confusão de informações, às vezes, o que é apresentado no documento não é o que está na carga do caminhão.

Nos três casos, os motoristas dos caminhões e a empresa assinaram e vão responder um Termo circunstanciado de ocorrência (TCO), por ser um crime de menor potencial ofensivo. A madeira será encaminhada para a Secretaria de Meio Ambiente e Turismo do município.

2 de abril, dia internacional do livro infantil

A leitura é a porta de entrada para o crescimento intelectual, principalmente quando o hábito inicia na infância. E é por isso que a pedagoga e escritora   e integrante da academia altamirense de letras, Rosângela Emerique, vem se dedicando à literatura infantil já há algum tem. Ela já lançou um livro para crianças e aguarda o lançamento do próximo exemplar, também voltado para o público infantil.

Este dia dois de abril é um dia importante  para Rosângela e milhares de escritores que se dedicam a escrever para a criançada, pois é comemorado o dia internacional do livro infantil. A data foi escolhida porque foi o dia em que nasceu Hans Christian Andersen, um dos mais importantes nomes da literatura infantil.

O escritor dinamarquês não foi o primeiro a escrever para o público infantil, mas é considerado o primeiro autor a adaptar fábulas que já existiam para uma linguagem adequada às crianças.

O dia internacional do livro infantil foi criado para divulgar este tipo de literatura e torná-la uma realidade na vida dos pequenos e permite que eles explorem as infinitas possibilidades que existem no mundo da imaginação.

Abril é o mês de vacinação contra síndrome respiratória aguda

Em todo o estado do Pará cerca de 1.200 casos de síndrome respiratória aguda grave foram notificados no ano de 2018. A doença é causada por um coronavírus e é muito mais grave do que a maioria das outras infecções e os sintomas são semelhantes aos do resfriado.

De todo o Pará, Altamira foi o município que notificou mais casos da síndrome no último ano. Os dados são da Secretaria de Saúde pública do estado. Ao todo foram 453 casos, porém, nem todos foram confirmados.

De acordo com a divisão de vigilância epidemiológica da Sespa, as principais vítimas da doença são crianças de sete meses a dois anos de idade e idosos. Uma das formas mais eficazes para combater a síndrome é lavar e higienizar as mãos.

A secretaria está realizando campanhas para erradicar a síndrome na região norte do Brasil. Abril é considerado o mês de vacinação contra a gripe. A campanha deve começar no dia 10 e vai até o final do mês.

Gol anuncia parceria com MAP; Altamira será um dos destinos

A Gol Linhas Aéreas anunciou nesta segunda-feira (1º de abril) parceria com a companhia MAP linhas Aéreas, que atua na região norte do país, nos Estados do Amazonas e Pará. O acordo prevê o compartilhamento de voos e passa a valer para viagens a partir de 3 de abril.

Os clientes poderão adquirir passagens para os trechos operados pela MAP pelo call center e pelas lojas da Gol. A empresa informa que deverá permitir a compra desses trechos por aplicativo e site em breve.

Com a parceria, 11 novos destinos regionais serão adicionados à malha da Gol. No Amazonas, serão contempladas as cidades de Eirunepé, São Gabriel da Cachoeira, Carauari, Lábrea, Coari, Tefé, Barcelos e Parintins. No Pará, será possível viajar para Itaituba, Porto Trombetas e Altamira.

(Valor Econômico)

Dupla é presa por traficar entorpecente

As polícias civil e militar efetuaram na noite de segunda-feira (1) a prisão de uma dupla que estava com entorpecentes, a suspeita era de que eles traficavam. Por volta de 21h, policiais receberam denúncias e chegaram até José Ailton da Silva, 33 anos, e Marcos Vinícius Sousa da Silva, de 24. Com eles foi encontrada uma grande quantidade de drogas.

Ao todo, 1235 gramas de maconha, 9 gramas de cocaína, duas munições de calibre 32 e uma de 380 e apetrechos que seriam utilizados para embalar a droga. A prisão aconteceu na rua Coronel José porfírio. Os acusados foram levados para a delegacia de polícia de Altamira e não quiseram dar mais informações. O delegado David Flávio, afirmou que as denúncias anônimas ajudam em casos como esse.

Fisiculturista representará Altamira em campeonato

O atleta Adelcio Júnior, já pesou 105 quilos na adolescência. Há cinco anos ele decidiu fazer academia e mudar toda sua rotina, tudo para melhorar a saúde do corpo. Há oito meses ele decidiu partir para uma nova etapa e se tornar atleta fisiculturista. A ideia surgiu a partir de um amigo.

O jovem já participou de três campeonatos paraenses, e já ganhou duas vezes em primeiro lugar e uma vez em segundo. Agora, Júnior se prepara para competir em Belém, no Open Pará de fisiculturismo, competição que reúne atletas de todo o estado.

Esporte

No fisiculturismo, os atletas devem treinar para desenvolver todos os grupos musculares, a fim de obter o máximo volume muscular, mas de forma equilibrada e harmoniosa, para mostrar com maior riqueza os músculos, e assim alcançar a maior pontuação. Para garantir a forma ideal, o atleta se dedica diariamente.

“Interagir é o maior desafio”, conta autista

Diagnosticado com autismo aos 13 anos, o jovem Denilto Freire Júnior, 18 anos, conta como é conviver com o transtorno. Nesta terça-feira (2), é comemorado o Dia Mundial da Conscientização do Autismo. A data é para ajudar a conscientizar a população sobre o transtorno no desenvolvimento do cérebro que afeta cerca de 70 milhões de pessoas em todo o mundo.

Entre as dificuldades do dia a dia, a interação social, para ele, é uma das mais desafiadoras. “Interagir com as pessoas é difícil. Gostaria que as pessoas tentassem amizade, já que eu não consigo falar muito bem com pessoas novas”, explica.

Júnior teve um laudo tardio. Mesmo passando por vários médicos desde criança, foi só na adolescência que a família teve o diagnóstico e pode direcionar o tratamento de maneira mais eficaz. “Nós procuramos vários profissionais, diziam que era déficit de atenção, que estava tudo bem. Por ele não se enquadrar nos sintomas mais frequentes foi mais difícil”, conta Rozenilda Salgueiro, mãe do jovem.

“Interagir com as pessoas é difícil. Gostaria que as pessoas tentassem amizade, já que eu não consigo falar muito bem com pessoas novas” , Denilto Júnior.

Júnior tem 18 anos, e é acadêmico de Biologia da Universidade Federal da Grande Dourados/MS (UFGD). Ele é classificado como TEA – Transtorno do Espectro Autista, e faz acompanhamento multidisciplinar com psiquiatra, psicóloga e fonoaudiólogo. A faculdade foi uma conquista, já que passou na ampla concorrência. Apesar de comportamento e características específicas, ele sempre frequentou ensino regular e optou por estudar o ensino médio integral. “Foi muito emocionante quando ele passou, nós sabíamos que ele era capaz, mas ver o nome dele lá foi uma vitória”, disse Rozenilda.

Denilto Júnior quando passou no vestibular em 2018, aos 17 anos.
(Arquivo família)

Mas o caminho escolar não foi simples, antes do diagnóstico e até mesmo depois, enfrentar um ensino padronizado foi difícil. Hoje na universidade, e com mais informação, as adaptações são mais fáceis. O Núcleo Multidisciplinar para Inclusão e Acessibilidade (Numiac), oferece apoio e orientação aos acadêmicos para facilitar o aprendizado.

É importante lembrar que cada autista é uma pessoa única, e suas dificuldades e facilidades são pessoais como em qualquer pessoa.  Questões sensoriais são pontos comuns, mas apresentam níveis e incômodos diferentes para cada um.  Para Júnior, o que mais incomoda são “barulhos altos e cheiros fortes”.

Segundo a psicóloga, Juliety Aliny de Souza, “a terapia analítico-comportamental possui a função de ensinar o paciente a adquirir novos comportamentos, a fim de que possa conseguir reforços, dos quais se está privado, que lhe gera sofrimento”. Por isso iniciar o tratamento cedo é primordial. Para Juliety o desafio como profissional é ser agente de mudança. “Meu olhar como terapeuta, é que cada sujeito seja ele autista ou não tem suas particularidades. Cabe a nós conscientizar-se de que devemos conhecê-las, entendê-las, aceitá-las, livres de qualquer preconceito”.

Muitas pessoas gostam de dizer que o autista vive no seu mundo, mas na verdade eles estão no mesmo mundo que todos. A diferença está na forma de interação, como a maioria dos autistas age diferente é comum as pessoas desistirem de entender.  Mas, se quem está em volta observar verá que é possível encontrar formas de se comunicar. Neste dia Internacional em que o apelo é pela inclusão fica a mensagem do Júnior, “por favor, pesquise pelo menos um pouco sobre”.

O que é Autismo

Autismo é um transtorno global do desenvolvimento marcado por três características fundamentais: Inabilidade para interagir socialmente; Dificuldade no domínio da linguagem para comunicar-se ou lidar com jogos simbólicos; Padrão de comportamento restritivo e repetitivo.

A psicóloga explica que de acordo com DSM (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) pode ser classificado conforme o grau de dependência ou necessidade de suporte, podendo ser considerado: autismo leve, moderado ou severo. Com isso somente após as avaliações é que serão delineadas intervenções comportamentais adequadas bem como procedimentos e técnicas que serão implementadas.

“Contudo o trabalho multiprofissional é de extrema importância. A parceria entre diversos profissionais (alguns essenciais, outros opcionais e escolhidos por cada família) é a base da intervenção. Bem como o engajamento da família no tratamento do filho(a). Sendo assim a terapia se faz indispensável bem como o acompanhamento com outros profissionais”, relata Juliety.

(Mayara Freire)