Indígena morre vítima de meningite bacteriana no Pará

Foi divulgado na tarde desta quarta-feira (20), a morte de uma indígena Katô, diagnosticada com meningite bacteriana e que estava internada desde a semana passada no Hospital Regional Público da Transamazônica. A mulher de 22 anos morreu na terça-feira (19) por causa de complicações da doença, aqui em Altamira, sudoeste do estado.

O coordenador de saúde indígena, João Carumuru confirmou o óbito hoje e afirmou ainda que esse seria o único caso de meningite registrado em indígenas. A mulher vivia na terra indígena Apterewa, próxima ao município de São Félix do Xingu.

Hospital Regional

Em nota, o Hospital Regional informou que a paciente deu entrada no dia 14/3, às 2h21. “Foi prontamente atendida pelas equipes médica e de Enfermagem mas, infelizmente, dada a gravidade do quadro clínico, a paciente foi a óbito, às 6h10 do dia 19/3. Não houve necessidade de aplicar protocolos de desinfecção. A direção do Hospital se solidariza com a família e amigos neste momento de dor.”

Altamira

A Vigilância epidemiologica de Altamira vem a público informar que não há surto de MENINGITE no município. Os casos ocorridos neste ano até o momento não fogem ao padrão habitual dos anos anteriores.

No período chuvoso há aumento de várias doenças virais, respiratórias e febris. Fique atento a sintomas como:
Febre, vômito, rigidez de nuca, prostação e confusão mental.

Procurar imediatamente a emergência (UPA).

Para maiores informações ou atendimento de doenças febris e respiratórias procure a unidade de saúde mais próximo de sua casa.

Medidas de Prevenção

  • A vacina está disponivel na rede pública para menores de 1 ano ( duas doses), reforço com 1 ano de idade e adolescentes de 11 a 14 anos ( reforço).
  • Evitar lugares com muita aglomeração;
  • Manter ambientes ventilados (abrir janelas)
  • Lavagem das mãos;
  • Não compartihar objetos de uso pessoal.

Jovens na mira de criminosos: as vítimas têm entre 16 e 22 anos

Randerson Rafael Amorim, 16 anos, Sávio Nascimento Júnior, 20, Isadora Silva da Costa 21, Wellington Da Silva Souza, 18, Paulo Henrique Calazans, 17 anos. Esses são alguns dos jovens que foram assassinados somente em janeiro de 2019. Uma estatística que cresce com o passar do tempo. Até agora o mapa da violência de Altamira mostra que foram 22 pessoas mortas a facadas ou por tiros. Desespero para familiares que perdem filhos para a criminalidade.

A dona Zilda lutou durante anos para tirar Erick Alves dos Santos do mundo das drogas e consequentemente, também, da criminalidade.

O histórico de violência vem desde cedo, quando a mãe foi vítima de estupro e ficou grávida de Erick. Mesmo sozinha, decidiu levar a gravidez adiante e criar o filho, mas desde adolescente Erick se envolvia em crimes, tinha passagens na delegacia por assaltos e outros delitos. A mãe chegou a bater no filho no meio da rua em agosto de 2017, após descobrir que Erick teria participado de um roubo no bairro Mutirão. Foi nesse mesmo bairro que no último domingo ele foi abordado por criminosos e assassinado. Até agora, ninguém foi preso. Um dia depois na rua 04 o amigo dele, Daniel de Souza Silva, de 18 anos, também não conseguiu escapar dos atiradores.

No comparativo feito pelo sbt altamira com dados da polícia, de 23 mortes violentas de janeiro até agora, 14 foram de jovens entre 16 a 22 anos. Um desafio para os órgãos da segurança pública e principalmente para os pais. O alerta é para evitar que os filhos tenham contato com entorpecentes, além do vício, o comércio de drogas e a disputa entre grupos rivais colaboram com a alarmante estatística das mortes entre os jovens.

A delegacia de homicídios segue investigando todos os casos e conta com o apoio da população para chegar até os criminosos.

Câmara Municipal é alvo de vandalismo

A Câmara Municipal de Altamira foi alvo de vandalismo nesta quarta-feira (20). O vidro da frente da Casa de Leis foi quebrado. Segundo testemunhas um homem jogou pedras na fachada, e saiu andando naturalmente.

A polícia Militar esteve no local e prendeu Erlan De Souza Azevedo, 21 anos. Na Delegacia de Polícia Civil ele contou que era auxiliar de produção da Secretaria de Planejamento, e foi dispensado há dois meses. Ele disse ainda, que não teria recebido a rescisão e resolveu se vingar do secretário quebrando a porta da Câmara.

Erlan responderá por dano ao patrimônio público. Como ele já tem passagem pela polícia foi negada a fiança.

Atualizada às 15h59

Justiça determina recolhimento noturno para vice-prefeito de Vitória do Xingu

A decisão publicada em fevereiro, determina aplicação de medidas cautelares ao vice-prefeito de Vitória do Xingu, Murilo Ferreira de Souza. Murilo é um dos investigados na operação “New Lessons” que revelou fraudes às licitações no município. Os prejuízos aos cofres públicos somam mais de R$ 5, 6 milhões, em valores atualizados. O vice e outros acusados, tiveram os bens bloqueados pela Justiça.

Conforme a decisão, Murilo deve comparecer em juízo pessoalmente todo mês para informar suas atividades, está proibido de manter contato com os demais réus do processo e testemunhas , e deve obedecer o “recolhimento domiciliar noturno a partir das 22h até as 6h, bem como nos finais de semana e nos feriados em sua integralidade.”

Segundo as investigações do Ministério Público, os acusados formaram uma associação criminosa com a finalidade de praticarem fraudes à licitações da Prefeitura Municipal de Vitória do Xingu, por meio da empresa BR7 Editora e Ensino Ltda, de propriedade de Alberto Pereira de Souza Júnior e Angélica Laucilena Mota Lima, na execução de contratos em licitações.

Técnicos do Instituto Evandro Chagas analisam água de Altamira


A pedido do Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), por meio da Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente, Patrimônio Cultural, Habitação e Urbanismo de Altamira, técnicos do Instituto de Pesquisas Evandro Chagas (IEC) iniciaram nesta terça-feira (19) uma série de coletas de amostras de água em várias partes do município, com a finalidade de analisar a qualidade da água que vem sendo oferecida à população de Altamira.

Os técnicos do IEC foram chamados para apurar diversas notícias levadas pelos moradores à Promotoria de Justiça do município, dando conta de que a água que vem abastecendo a cidade está suja, amarelada e com um “gosto estranho”. As mudanças na coloração e no gosto da água teriam começado após o início das instalações de estações de tratamento na cidade. A suspeita é de que a água serviuda à população esteja contaminada por alguma substância ou processo de tratamento. Dentre as denúncias a serem investigadas estão a contaminação de uma oficina mecânica pela substância química chamada Bepex; postos de gasolina, aterros sanitários, estações de tratamento de água e até escolas.

Segundo o promotor de Justiça Antônio Manoel Dias, que está respondendo pela Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente, Patrimônio Cultural, Habitação e Urbanismo, devido à falta de tempo hábil para atender a todas as demandas, os casos mais urgentes foram definidos como prioridade entre o MPPA e os técnicos do Instituto, que classificaram algumas das situações como “mais críticas”.
Inicialmente, estão previstas a coleta e análise das águas subterrâneas na área do antigo lixão, para verificar a possibilidade de contaminação do igarapé de Altamira; de três postos de combustíveis, sendo um deles localizado próximo a uma creche escola e à uma igreja; e nos Reassentamentos Urbanos Coletivos (RUC´s) Laranjeira e Casa Nova. Posteriormente, a ideia é analisar as amostras das águas dos RUC´s, Jatobá, São Joaquim e Água Azul.

A pedido do promotor de Justiça,Daniel Braga Bona, também serão analisadas amostras da água da cisterna, banheiro, cozinha e do bebedouro oferecidas aos alunos da Escola Estadual de Ensino Médio Getúlio Vargas e, posteriormente, de mais três escolas estaduais de ensino médio: Polivalente, Dairce Pedrosa e Jair Lemos.

Outra demanda a ser tratada é a análise química e bacteriológica dos efluentes originários das estações de tratamento de esgoto do município de Vitória do Xingu, bem como de três igarapés que passam próximo ao local. Também em Vitória do Xingú serão realizadas coletas e análises de amostras da qualidade e potabilidade da água que abastece o município, em 13 pontos da cidade, além das amostras da água de quatro comunidades localizadas às margens do Rio Xingú.

“Vamos esperar o resultado dos laudos para, conforme for, iniciarmos outras providências”, informa o promotor de Justiça Antônio Manoel Dias, que instaurou os inquéritos para apurar a ocorrência dos fatos. Os técnicos do IEC permanecerão na cidade por dez dias realizando o trabalho.

(Ascom MPPA)

Homem é assassinado no bairro São Domingos

Wilson da Conceição Rodrigues, de 38 anos, foi a terceira pessoa assassinada em Altamira, em menos de três dias. Os bandidos abordaram a vítima na Avenida Castelo Branco, próximo ao bairro são domingos.

Segundo informações de testemunhas, Wilson havia acabado em um lava jato, quando dois homens chegaram em uma motocicleta e efetuaram vários disparos. 3 a 4 tiros atingiram a vítima.

A polícia esteve no local para apurar o caso. Segundo o delegado Fernando Marcolino, da divisão de homicídios, Wilson havia sofrido uma tentativa de homicídio no dia 30 de outubro de 2018, porém, não teria ajudado nas investigações.

Em fevereiro deste ano a delegacia de homicídios voltou a procurar Wilson, mas não obteve mais informações sobre os criminosos. A polícia segue investigando o caso, Wilson tinha passagem pela polícia por porte ilegal de arma de fogo. Com a morte deLE, sobe para 22 o número de homicídios registrados nesses primeiros três meses de 2019.

Pais involuntariamente ajudaram Momo a viralizar

Preocupados com uma corrente no WhatsApp que dizia existir vídeos no YouTube Kids em que a boneca Momo ensinava as crianças a se matar cortando os pulsos, pais do Brasil e do mundo ajudaram de forma involuntária a disseminar justamente o que temiam que seus filhos vissem. A onda de pânico extrapolou os grupos em que pais conversam sobre assuntos escolares.

Os vídeos passaram a circular no WhatsApp e nos stories do Instagram, o que deu ao assunto uma proporção grande o bastante para chegar aos olhos de crianças que jamais saberiam o que é Momo. Isso criou um efeito inesperado: ressuscitaram o desafio da Momo, que já circulara por redes sociais, sim, mas que, segundo o Google,não estava no YouTube. Ver os pais como responsáveis, no entanto, é só a ponta desse iceberg, já que o problema é mais complexo: os filhos usam eletrônicos cada vez mais cedo para construir um ambiente de privacidade em ambientes virtuais, em que os conteúdos exibidos não passam pelo crivo do debate público.

“Qualquer tipo de desvio ou determinada situação como a que ocorreu acaba criando um pânico, porque os pais estão por um lado sozinhos nessa discussão”, diz Fabio Malini, professor de comunicação da Universidade do Espírito Santo que estuda o comportamento nas redes sociais. Ele mesmo teve de conversar com a filha sobre os perigos de Momo.

Como se espalhou

Algumas mães que atuam como blogueiras disseram ter tido contato com os vídeos de Momo por meio de uma corrente de WhatsApp. A partir daí, passaram a repassar a corrente a outros pais com o intuito de avisá-los e até a distribuir o vídeo por meio de suas redes sociais.

Não há evidência de que vídeos em que Momo incentive o suicídio circularam no YouTube ou no YouTube, informa o Google. Tanto é que a empresa não recebeu denúncias a respeito desse conteúdo, o que indica que poucas pessoas se debruçaram a, de fato, buscar os tais conteúdos.

O alarde dos pais

Ter partido de outros pais fez com que o aviso ganhasse ainda mais força, segundo Pase, porque se tratava de alguém conhecido, de confiança e com as mesmas preocupações: resguardar as crianças. Só que muitos pais preferiram encarar posts nas redes sociais como verdade sem questionar se seus autores realmente checaram a informação antes de passá-la adiante.

O próprio texto da corrente no WhatsApp dava pistas de onde os pais poderiam começar a averiguar a história de que Momo estava de fato presente em vídeos do YouTube. Citava os canais de Luccas Neto e Planeta Gêmeas, que nunca chegaram a hospedar conteúdos “invadidos” pela boneca aterrorizante.

Como nenhuma dessas precauções foi tomada, bastou a suspeita de que um ambiente aparentemente seguro, como o das plataformas digitais, foi invadido por uma ameaça para uma preocupação generalizada se instaurar.

A orientação dos especialistas é que os pais não contribuam para o vídeo se espalhar ainda mais. Se virem o vídeo em alguma plataforma, devem denunciar, não repassá-lo adiante. Além disso, devem abordar o assunto com seus filhos sem, porém, exibir o conteúdo dos vídeos, que podem ser perturbador para as crianças.

(UOL)

Acusados de fraudar concurso do Detran permanecerão presos

O Tribunal de Justiça do Pará, negou o pedido de liberdade a Elianderson Brabo Rodrigues e a Ronald da Mota Barbosa, denunciados pelo Ministério Público por suposta prática de fraude em concurso público, falsidade ideológica e associação criminosa. As prisões de ambos foram decretadas após serem apontados por outras pessoas denunciadas, como os mentores de fraude ao concurso do Departamento de Trânsito do Estado do Pará (DETRAN-PA), realizado no dia 10 de fevereiro.

A defesa alegou a falta de fundamentação para a decretação das prisões, mas o relator do Habeas Corpus, desembargador Ronaldo Marques Valle, ressaltou que as medidas preventivas estão devidamente fundamentadas de acordo com o estabelecido na lei penal.

A justiça substituiu ainda a prisão preventiva de Dalila Tayani Carvalho Coelho por medidas cautelares diversas da prisão. Dalila foi presa em flagrante, sob a mesma acusação, no dia da realização da prova do DETRAN/PA. De acordo com os julgadores, a denunciada comprovou ser mãe de uma criança menor de 12 anos e que é viúva, sendo essencial para cuidar do filho menor.

Na semana passada, foram beneficiadas também  Luna Bianca da Vera Cruz Nascimento e Grasiele Quaresma Mendes, que também haviam sido presas em flagrante no mesmo caso.

As duas foram presas em flagrante no dia da prova do concurso do Detran. Após denúncia, a Polícia se dirigiu até a sala onde estavam realizando a prova. No entanto, ao ser feita a abordagem e ser chamada em um local reservado, descobriu-se que Grasiele estava se passando por Luna, realizando a prova em seu lugar.

Grasiele afirmou que receberia R$ 1.000,00 e que estava com um celular, que vibraria indicando o gabarito. De posse das informações, a Polícia se dirigiu até a verdadeira Luna, a qual confirmou as informações. Dalila, da mesma forma, estava de posse de um celular pelo qual seria passado o gabarito. Em audiência de custódia, apontaram Elianderson e Ronald como os mentores da fraude.


Acusadas tinham celulares e documentos falsos: outro suspeito fugiu (Polícia Civil)

(Informações TJPA)

Adolescente apreendido foi um dos mentores de ataque em Suzano, diz polícia

Segundo delegado, menor teria planejado o crime com o assassino de 17 anos. Ele foi levado ao Fórum nesta segunda-feira (19) e encaminhado para a Fundação Casa.

O delegado Alexandre Dias, que investiga o massacre na Escola Estadual Professor Raul Brasil ocorrido na última quarta-feira (13), em Suzano, disse que o adolescente apreendido nesta terça-feira (19) foi mentor intelectual do crime que deixou ao todo dez mortos, incluindo os dois assassinos.

“Ele é mentor intelectual, comprou objetos, objetos que poderiam fazer ele participar daquele delito, participação dele com um dos autores na compra de outros objetos e na idealização de outros objetos.”

Segundo o delegado, “foram apresentadas provas de conteúdo cibernético que indicava a participação desse menor na criação do delito. Há provas testemunhais. As investigações apontam que ele é mentor intelectual junto com outro assassino menor de idade.”

Os detalhes sobre as novas provas que a polícia obteve sobre a possível participação do adolescente de 17 anos do massacre não podem ser revelados por estarem sob sigilo, disse o delegado em coletiva à imprensa na Delegacia Seccional de Mogi das Cruzes.

Ainda sobre o adolescente, o delegado afirmou que “o perfil psicológico dele está sendo feito por exames periciais.”

Alexandre disse ainda que busca identificar quem vendeu a arma. “Há uma linha de investigação nesse sentido, quem vendeu a arma e ajudou eles a terem acesso a arma.”

Apreensão do adolescente

O jovem foi apreendido em casa e levado ao Instituto Médico Legal (IML) da cidade, onde foi submetido a exame de corpo de delito. De lá, seguiu para o fórum.

O adolescente foi acompanhado dos pais e do advogado Marcelo Feller do Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD).

Segundo o Tribunal de Justiça (TJ), na audiência foi mantida sua internação provisória, por 45 dias, na Fundação Casa. A unidade em que ele ficará internado não foi divulgada. Ele deixou o fórum em um carro da Polícia Civil por volta das 12h50.

A Fundação Casa esclarece que a vaga de internação provisória para o adolescente envolvido no caso de Suzano, solicitada pela juíza da cidade, foi liberada imediatamente pela Instituição por volta das 11h40 da manhã desta terça-feira (19).

Se terminado o prazo e não houver sentença judicial de internação definitiva, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) determina a sua liberação. Em caso de sentença de internação definitiva, o prazo máximo é de 3 anos.

“Ele me pareceu um garoto extremamente sincero. Ele foi muito amigo do atirador, depois tiveram um período brigados e voltaram a se falar há poucos meses”, disse Feller. “Para mim, ele negou qualquer participação nesse ato. O que me parece bastante crível pela mensagem que ele manda para o próprio atirador informando o que está acontecendo”.

Apesar disso, o advogado afirmou que essa declaração foi dada a ele e não à Justiça, pois pediu que o adolescente e seus pais ficassem em silêncio e não respondessem às perguntas na audiência de apresentação no fórum.

O motivo, segundo Feller, é que ele ainda não teve acesso aos autos do processo. O delegado assistente da Seccional de Mogi das Cruzes, Jaime Pimentel, no entanto, disse que disponibilizou sim os autos ao advogado. “Pelos menos isso foi oferecido a ele na delegacia.”

Feller foi indicado pelo IDDD depois de a Defensoria Pública informar que não poderia defender o adolescente, visto que já está defendendo os interesses das vítimas.

“O que ocorreu hoje aqui foi um teatro processual”, criticou Feller sobre a audiência de apresentação do caso realizada no fórum de Suzano.

O advogado falou que não teve tempo para ter acesso às provas do inquérito e, por isso, foi contra a internação do adolescente. Ele sugeriu que o adolescente ficasse detido em casa com tornozeleira eletrônica, mas a juíza não aceitou.

A audiência de instrução deve ocorrer no dia 26 de março quando as testemunhas serão ouvidas.

Novas evidências

Na quinta-feira (14), o adolescente chegou a se apresentar à Justiça, mas negou a participação e foi liberado. Durante a investigação, porém, foram analisados os celulares dele e dos dois assassinos e, de acordo com a polícia, os três aparelhos têm conversas claras sobre o planejamento das mortes.

Nesta segunda-feira (18), a polícia apresentou ao Ministério Público um relatório com os resultados das buscas feitas na casa do menor. Além disso, a Polícia Civil apresentou à Justiça um documento com 13 tópicos que reforçam a participação do adolescente no planejamento do crime.

A audiência de instrução deve ocorrer no dia 26 de março quando as testemunhas serão ouvidas.

Detento é encontrado morto em Altamira

O detento Valdecir De Souza Lima, conhecido como esquerdinha, foi encontrado morto em uma da celas do Centro de Recuperação Regional de Altamira, nesta terça-feira (19). O Instituto Médico Legal (IML) removeu o corpo e a Polícia Civil esteve no local para investigar o caso. Policiais ouviram outros presos e coletaram informações. Ele foi encontrado enforcado dentro do banheiro após os agentes penitenciários perceberem a ausência do detento durante o banho de sol.

NOTA

Em nota, a diretoria de administração penitenciária da Susipe confirma a morte de um interno custodiado no Centro de Recuperação Regional de Altamira (CRALT), na tarde de ontem, (19/03). Durante a ronda de rotina, por volta das 16h20, agentes prisionais encontraram o corpo do interno na cela B, módulo 2, do anexo C da unidade prisional. O preso Valdecir Junior de Sousa Lima apresentava indícios de asfixia mecânica (enforcamento) e foi encontrado sozinho na cela. A Susipe informa que o Instituto Médico Legal realizou a remoção do corpo. Um inquérito policial foi aberto para apurar as circunstâncias da morte.O preso estava de alvará e retornou para a unidade em janeiro deste ano pelo crime de roubo.